Veja Também

Veja Também

quinta-feira, 26 de abril de 2018

RESENHA DA BOLSA - QUINTA 26/04/2018

ÁSIA: Os mercados da Ásia fecharam misturados na quinta-feira, após modestos ganhos  em Wall Street, onde a Dow fechou em alta pela primeira vez em seis sessões.

No Japão, o Nikkei subiu 0,47%, a 22.319,61 pontos, enquanto o Topix ganhou 0,25% e fechou em 1.772,13 pontos. Do outro lado do Estreito da Coreia, o Kospi subiu 1,1%, para 2.475,64 pontos.

Os mercados da China continental encerraram a sessão em baixa. O composto de Xangai caiu 1,35%, para 3.075,85 pontos e o composto de Shenzhen fechou em queda de 2,14%, para 1.770,40 pontos. O índice Hang Seng de Hong Kong caiu 1,06%.

Na Austrália, o ASX 200 caiu 0,18%, para 5.910,80 pontos na volta do feriado de quarta-feira. O setor financeiro pesadamente ponderado caiu 1,77%. Entre as mineradoras australianas, BHP Biliton caiu 0,6%, Fortescue Metals recuou 1,5% e Rio Tinto fechou em baixa de 0,2%.

Entre as notícias corporativas, a gigante de tecnologia sul-coreana Samsung anunciou os resultados do primeiro trimestre. O maior fornecedor de smartphones registrou um lucro operacional de 15,64 trilhões de won coreanos (14,45 bilhões de dólares) nos três meses encerrados em março e um salto de 58% no ano, de acordo com uma estimativa. A receita consolidada chegou a 60,56 trilhões de won. A companhia disse que sua receita no primeiro trimestre foi impulsionada principalmente por seus negócios de chips de memória e pelo aumento das vendas de seus principais smartphones, como o Galaxy S9. As ações da Samsung subiram 3,45%, superando o índice Kospi.

A fabricante japonesa de jogos Nintendo anunciou que espera que o lucro operacional aumente 26,7% no ano até março, atingindo uma alta de nove anos. O console de jogos Switch da Nintendo manteve o ímpeto de vendas no seu segundo ano. A Nintendo estimou que o lucro chegue a 225 bilhões de ienes (US $ 2,06 bilhões) ante 177,56 bilhões de ienes um ano antes, acrescentou a Reuters. O anúncio veio após o fechamento do mercado de Tóquio. As ações da Nintendo caíram 2,03% na sessão de quinta-feira.

O índice do dólar mede o dólar em relação a uma cesta das principais moedas foi negociado em 91,139, acima dos níveis de 90.600 no início da semana.

O iene japonês foi negociado a 109,26 contra o dólar, enfraquecendo ante 108,0 alcançados na semana passada. O dólar australiano foi negociado a US $ 0,7570, enquanto o euro alcançou US $ 1,2177.

O petróleo subiu durante a noite, apesar dos dados mostrarem um aumento nos estoques dos EUA, com investidores voltando sua atenção para os desenvolvimentos geopolíticos. O presidente francês Emmanuel Macron tenta intermediar um novo acordo nuclear entre os EUA e o Irã.

EUROPA: As bolsas europeias registraram pequenos ganhos nesta quinta-feira, mostrando sinais de recuperação, à medida que um novo lote de relatórios de lucros é divulgado. Após uma abertura estável, o índice Stoxx Europe 600 sobe 0,38%. O benchmark pan-europeu caiu 0,8% na quarta-feira, a maior perda desde 23 de março.

Entre resultados, o Deutsche Bank AG registrou uma forte queda nos lucros e sinalizou que fará mudanças radicais em seu banco de investimento.

Mais tarde, o Banco Central Europeu deve divulgar sua mais recente atualização sobre a política monetária e os investidores aguardarão quaisquer comentários do presidente do BCE, Mario Draghi, sobre o crescimento econômico da zona do euro. Não são esperados novidades do banco central, mas existe a possibilidade de que alguma luz seja lançada sobre o pensamento dos formuladores de política econÔmica.

O BCE surpreendeu os mercados em março, sinalizando que está a caminho de encerrar seu programa de estímulo antes do final do ano, mas, desde então, os dados econômicos apontam para uma desaceleração na economia da zona do euro e isso levou os investidores a reduzir as expectativas para o início do aumento das taxas em meados de 2019.

Além disso, o núcleo da inflação de 1% ainda está bem abaixo da meta do BCE de 2%. O euro caiu recentemente abaixo de US $ 1,22, abaixo de US $ 1,24 registrado no dia da reunião do banco central, em 8 de março.

A declaração política do BCE deve ser divulgada às 8h45 e Draghi fará uma coletiva de imprensa às 9h30, horário de Brasilia.

O índice FTSE 100 do Reino Unido abriu em baixa, mas recupera durante a sessão da manhã desta quinta-feira. Os grupos de petróleo e gás e de materiais básicos, altamente ponderados, perdem terreno, mas os setores de serviços públicos e de bens de consumo lideraram os ganhos. Na quarta-feira, o FTSE 100 caiu 0,6%, a primeira queda em seis sessões. Essa série de altas foi a mais longa desde meados de maio de 2017. 

A libra sobe 0,0861% frente ao dólar e é negociado a US $ 1,3911, ante US $ 1,3930 de quarta-feira em Nova York.

Royal Dutch Shell cai 2,36%, apesar do produtor de petróleo registrar seu maior lucro trimestral desde 2013. Lucro do primeiro trimestre em uma base atual, subiu 69% para US $ 5,7 bilhões. As ações subiram mais de 11% neste trimestre, mas acumulam um modesto 1% no ano. Entre as mineradoras, Anglo American cai 1%, Antofagasta recua 2,8% e entre as gigantes,  BHP Biliton e Rio Tinto perdem 0,8% cada.

EUA:
As ações do setor de tecnologia dos Estados Unidos prometem um dia otimista. As ações da Facebook Inc. disparam 6,30% no "pré-market", depois que a gigante de mídias sociais divulgou ganhos que superaram facilmente as previsões na quarta-feira.

O movimento ocorre depois de uma sessão volátil na quarta-feira, quando o DJIA fechou em alta 0,25%, enquanto o S & P 500 conseguiu livrar-se de grandes perdas e terminar o dia em alta de 0,18%. Para a Dow, isso significou quebrar um rali de cinco dias de baixa, a mais longa desde março de 2017. O Nasdaq Composite Index recuou 0,05% na quarta-feira.

Preocupações com o aumento das taxas de juros dos EUA ainda pairam sobre os mercados, já que o rendimento em títulos do Tesouro de 10 anos, TMUBMUSD10Y, ficou acima do nível psicologicamente importante de 3%.

Os "traders" se concentraram na última rodada de balanços de grandes empresas de tecnologia. Até agora, mais de 80% das empresas do S & P 500 superaram as previsões nesta temporada, mas os resultados melhores do que os esperados, nem sempre conseguiram elevar os preços das ações das empresas.

Entre as empresas que estão programados para ocorrer antes do sino de abertura, estão General Motors, Hershey e PepsiCo.

O relatório semanal de pedidos de emprego é devido às 9h30 da manhã. Ao mesmo tempo, são esperados relatórios de março sobre encomendas de bens duráveis, enquanto às 11h00 da manhã, é esperado os dados sobre as vagas de moradia para o primeiro trimestre.

ÍNDICES FUTUROS - 7h30:
Dow: +0,15%
SP500: +0,17%
NASDAQ: +0,54%

OBSERVAÇÃO: Este  material é um trabalho voluntário, resultado da compilação de dados divulgados em diversos sites da internet que são aqui resumidos de maneira didática para facilitar e agilizar a compreensão do leitor. O texto da sessão asiática está no tempo passado e a europeia no presente devido ao horário em que este relatório é redigido. Atentem-se para o horário de disponibilização dos dados.

quarta-feira, 25 de abril de 2018

RESENHA DA BOLSA - QUARTA 25/04/2018

ÁSIA: Os mercados da Ásia fecharam em baixa nesta quarta-feira, após uma queda em Wall Street, com os investidores preocupados com o aumento das taxas de juros e perspectivas economicas.

O Nikkei do Japão caiu 0,28%, para 22.215,32 pontos, enquanto o índice Topix caiu 0,11%, para 1.767,73 pontos, enquanto do outro lado do Estreito Coreano, o Kospi Coreia do Sul caiu 0,62%, para 2.448,81 pontos.

O índice Hang Seng de Hong Kong caiu 1,1%. Os mercados da China continental tiveram um desempenho misto. O índice de Xangai caiu 0,35%, para 3.117,99 pontos e o composto de Shenzhen subiu 0,26%, para 1.809,25 pontos.

Os mercados da Austrália e Nova Zelândia permeneceram fechados por conta de feriado.

O índice do dólar, que mede a moeda americana em comparação com uma cesta de moedas, foi negociado a 90,981. O índice subiu acima dos níveis de 90,00 alcançados na semana anterior e cruzou brevemente o nível 91,00 na sessão de terça-feira.

O iene japonês foi negociado a 109,10 por dólar, enquanto o euro foi arrematado por US $ 1,2211.

Os preços do petróleo caíram durante o horário asiático, com a notícia de que os EUA poderiam restabelecer as sanções contra o Irã. O presidente Donald Trump disse em uma coletiva de imprensa com o presidente francês Emmanuel Macron na terça-feira que os EUA poderá em breve chegar a um acordo com a França para preservar o acordo nuclear com o Irã de 2015.

EUROPA: Os investidores empurraram as bolsas europeias para baixo, depois de um "sell-off" em Wall Street, onde as ações sofreram com o aumento nos rendimentos dos títulos e pelas perspectivas pessimistas de pesos-pesados ​​industriais.

O índice Stoxx Europe 600 cai 1%, para 379,45 pontos, afastando-se dos níveis mais altos desde o início de fevereiro. O índice de referência devolveu os ganhos iniciais e terminou ligeiramente em baixa na terça-feira. O DAX 30 da Alemanha registra o pior desempenho entre os índices regionais.

O índice FTSE 100 do Reino Unido opera em baixa, liderado por perdas perdas no setor de commodities e industrias, mas o setor de assistência médica e bens de consumo avançam. O índice de referência de Londres subiu 0,4% na terça-feira, registrando o seu sexto ganho consecutivo, a maior sequência de altas desde meados de maio de 2017. O fechamento de terça-feira também marcou o primeiro fechamento do índice acima de 7.400 pontos, desde o início de fevereiro.

A libra cai 0,1359% frente ao dólar americano e é negociado próximo de US $ 1,3939, abaixo dos US $ 1,3978 da terça-feira em Nova York. No mercado de renda fixa, o rendimento do TMBMKGB-10Y de 10 anos sobe 0,97%, 2 pontos base para 1,56%.

Antofagasta cai 3,6% depois que a mineradora chilena informou que a produção de cobre do primeiro trimestre caiu 10,5%, mas o guidance para o ano não foi alterada. Entre outros pares do setor, Anglo American cai 4,4%, BHP Biliton perde 1,9% e Rio Tinto recua 2,3%.

EUA:
Wall Street segue preparando para outro dia no vermelho, já que os rendimentos do Tesouro dos EUA continuaram subindo acima de 3%. Os futuros de ações dos EUA apontam para perdas consideráveis ​​na abertura do mercado, com os investidores assustados, pressionando os mercados acionários globais e mantendo um clima "de atenção" aos rendimentos dos tresures.

Na terça-feira, as ações dos EUA desmoronaram após o rendimento das notas do governo de 10 anos, TMUBMUSD10Y, subirem para o nível psicologicamente importante de 3%. O DJIA caiu 1,74%, o S & P 500 perdeu 1,34% e o Índice Nasdaq Composite recuou 1,70%.

Um dia repleto de balanços corporativos podem ajudar a direcionar as ações, com resultados esperados da Twitter, Comcast e Boeing antes da abertura do mercado.

Mais uma vez, os movimentos no mercado de títulos seguem influenciando o comércio de ações dos EUA nesta quarta-feira, com os rendimentos do Tesouro continuando a subir. O rendimento do papel de 10 anos subiu 3 pontos base para 3.021%, um dia depois de atingir 3% pela primeira vez desde o início de 2014. Rendimentos mais altos normalmente pesam sobre as ações, já que os títulos começam a oferecer retornos melhores do que as ações e elevam os custos dos empréstimos para as empresas.

Até agora, mais de 80% das empresas do S & P 500 superaram as previsões de lucro, no entanto, esses resultados, muitas vezes, não foram suficientes para elevar as ações.

Não há grandes relatórios de dados econômicos ou palestrantes do Federal Reserve agendados para hoje.

ÍNDICES FUTUROS - 7h30:
Dow: -0,23%
SP500: -0,27%
NASDAQ: -0,36%

OBSERVAÇÃO: Este  material é um trabalho voluntário, resultado da compilação de dados divulgados em diversos sites da internet que são aqui resumidos de maneira didática para facilitar e agilizar a compreensão do leitor. O texto da sessão asiática está no tempo passado e a europeia no presente devido ao horário em que este relatório é redigido. Atentem-se para o horário de disponibilização dos dados.

terça-feira, 24 de abril de 2018

RESENHA DA BOLSA - TERÇA-FEIRA  24/04/2018

ÁSIA: A maioria dos mercados da Ásia negociaram em alta nesta terça-feira.

Na Austrália, o ASX 200 subiu 0,6%, para 5.921,6 pontos, com a maioria dos setores registrando ganhos. O setor financeiro fortemente ponderado ganhou 0,99%. As principais mineradoras da Austrália terminaram em baixa, as ações da Rio Tinto caíram 2,62%, Fortescue perdeu 2,35% e BHP Billiton recuou 0,13%.

O Nikkei do Japão subiu 0,86%, para 22.278,12 pontos, enquanto o índice Topix subiu 1,08%, para 1.769,75 pontos.

Do outro lado do Estreito Coreano, o Kospi caiu 0,4%, para 2.464,14 pontos. As ações da fabricante de chips SK Hynix caíram 2,73%, apesar da companhia atender às expectativas do mercado com um lucro operacional de 77% no primeiro trimestre. Isso porque a SK Hynix seguiu os passos da Taiwan Semiconductor Manufacturing, ao alertar sobre o crescimento mais lento das vendas de chips de smartphones. Ainda assim, a empresa disse que a desaceleração pode ser compensada pela maior demanda por servidores e outros chips "high-end". A Samsung Electronics, que mostrou forte demanda por seus chips de memória nos últimos trimestres, caiu 2,77%.

Em Hong Kong, o índice Hang Seng subiu 1,26%, enquanto Taiex de Taiwan caiu 1,1%. As bolsas da China continental também fecharam em alta; o composto de Xangai subiu 1,97%, para 3.128,60 pontos e o composto de Shenzhen ganhou 2,27%, para 1.804,40 pontos.

O índice do dólar, que mede o dólar norte-americano em comparação com uma cesta de moedas, foi negociado a 91,007, recuando ligeiramente em relação à alta anterior de 91,076, mas ficou acima dos níveis de 89,500 observados na semana anterior. O índice vinha testando suas altas para este ano no início de janeiro, com os mercados precificando mais de três altas da taxas do Federal Reserve dos EUA neste ano.

O iene japonês foi negociado a 108,84 por dólar e o dólar australiano alcançou $ 0,7603, recuando ante níveis de $ 0,777 da semana anterior.

Os preços do petróleo subiram durante a sessão asiática na terça-feira, níveis mais altos em três anos, refletindo preocupações contínuas em torno das tensões geopolíticas no Oriente Médio, que é a fonte de quase metade do suprimento mundial de petróleo. Os preços mais altos de energia também foram apoiados por um declínio nos estoques no Centro de armazenamento de Cushing, Oklahoma.

EUROPA: As bolsas de valores europeias negociam em torno de seus níveis mais fortes em mais de dois meses na terça-feira, enquanto os investidores continuam a acompanhar o fluxo de relatórios corporativos.

O índice Stoxx Europe 600 sobe 0,11%. Os grupos de petróleo e gás e tecnologia registraram as maiores altas, enquanto os setores de telecomunicações e serviços ao consumidor recuam. Na segunda-feira, o benchmark subiu 0,4% e terminou em seu nível mais alto desde 2 de fevereiro.

O euro fortalece 0,0410% frente ao dólar, sendo negociado a $ 1,2194, abaixo dos $ 1,2209 da segunda-feira em Nova Iorque.

 O DAX 30 da Alemanha opera em alta. O rendimento dos títulos de 10 anos da Alemanha, TMBMKDE-10Y, cai 1 ponto base para 0,61%, de acordo com dados da Tradeweb, à medida que os preços sobem.

O índice FTSE 100 do Reino Unido sobe, colocando o índice no caminho para fechar acima dos 7.400 pontos pela primeira vez desde o início de fevereiro. Na segunda-feira, o índice subiu 0,4% e fechou em seu maior nível desde 2 de fevereiro, segundo dados da FactSet.

A libra sobe 0,0861% frente ao dólar e é negociado a US $ 1,3936, abaixo dos US $ 1,3939 de segunda-feira em Nova York. No mercado de renda fixa, o rendimento dos títulos de 10 anos do Reino Unido, TMBMKGB-10Y, cai 1 ponto base para 1.506%, segundo a Tradeweb.

As empresas petrolíferas e multinacionais seguem entre as de melhor desempenho, devido ao aumento dos altos preços do petróleo e ao menor valor da libra, respectivamente. 

As ações dos produtores de petróleo BP sobe 1,38% e Royal Dutch Shell avança 0,49%. Ainda no setor de commodities, as mineradoras também tem um dia de alta. Antofagasta sobe 1%, BHP Biliton adiciona 1,4% e Rio Tinto sobe 0,6%. Anglo American destoa e recua 11,1%.

EUA:
Os futuros de ações dos Estados Unidos apontam para uma abertura otimista em Wall Street, com o Dow a caminho de quebrar uma série de quatro sessões de queda. Os ganhos vem depois de uma sessão bastante fraca na segunda-feira, quando o Dow recuou 0,1%, enquanto o Nasdaq Composite Index caiu 0,25% e o índice S & P 500 encerrou praticamente inalterado.

As bolsas estão sendo afetados pela recente alta dos rendimentos dos títulos dos EUA. Os títulos de 10 anos, TMUBMUSD10Y, está prestes a quebrar o valor psicologicamente importante de 3%. Os rendimentos mais altos dos títulos tendem a pesar sobre as ações porque aumentam os custos de empréstimos para as empresas.

No entanto, os rendimentos dos títulos recuam, diminuindo a pressão sobre os índices de ações dos EUA. A taxa dos títulos de 10 anos cai 1 ponto base, para 2,9598% na terça-feira. 

A temporada de balanços ainda estava em foco. Seis componentes da Dow estão programados para liberar suas atualizações financeiras antes do sino, incluindo a Coca-Cola e a United Technologies. A temporada até agora tem sido forte e mais de 80% das empresas do S & P 500 que reportaram até agora, superaram as previsões de lucro. Isso se compara ao quarto trimestre de 2017, quando cerca de 73% das empresas do S & P superaram as estimativas, segundo dados da FactSet.

O índice de preços dos imóveis da Case-Shiller para fevereiro deve ser divulgado às 10h00, seguido pelo índice de confiança do consumidor de abril e os novos dados de vendas para março às 11h00.

ÍNDICES FUTUROS - 7h30:
Dow: +0,60%
SP500: +0,60%
NASDAQ: +0,75%

OBSERVAÇÃO: Este  material é um trabalho voluntário, resultado da compilação de dados divulgados em diversos sites da internet que são aqui resumidos de maneira didática para facilitar e agilizar a compreensão do leitor. O texto da sessão asiática está no tempo passado e a europeia no presente devido ao horário em que este relatório é redigido. Atentem-se para o horário de disponibilização dos dados.

segunda-feira, 23 de abril de 2018

RESENHA DA BOLSA - SEGUNDA-FEIRA 23/04/2018

ÁSIA: As bolsas asiáticas fecharam em queda nesta segunda-feira, com os investidores observando a alta dos rendimentos do Tesouro dos EUA e digerindo o declínio nas ações de tecnologia vistas nos EUA. O índice de ações da MSCI para a Ásia-Pacífico, excluindo o Japão, caiu 0,29%.

O Nikkei do Japão caiu 0,33%, para fechar em 22.088,04 pontos, enquanto o Topix, mais amplo, terminou o dia praticamente estável. Entre os setores, as seguradoras e bancos lideraram os ganhos, enquanto tecnologia fechou sem direção.

O Kospi da Coreia do Sul fechou em queda de 0,09%, para 2.474.11 pontos, antes da reunião entre as duas Coreias, que deve ocorrer no final da semana. Fabricantes de automóveis e varejistas recuaram enquanto as siderúrgicas subiam. Shinwon Corporation, empresa que tem exposição à Coreia do Norte, disparou 15,89%.

Os mercados da China devolveram os ganhos anteriores, com o composto de Xangai caindo 0,09% para terminar em 3.068,80 pontos e o composto de Shenzhen recuando 0,8% para 1.764,20 pontos. O índice Hang Seng de Hong Kong caiu 0,54%, enquanto os ligeiros ganhos em finanças foram consumidos pelas perdas no setor de tecnologia.

Os ganhos, no entanto, foram vistos na Austrália, onde o S & P / ASX 200 avançou 0,29%, para 5.886 pontos, com o sub-índice financeiro e os produtores de ouro liderando os ganhos. Entre as gigantes de mineração, BHP Biliton subiu 1,3%, Fortescue Metals subiu 0,9% e Rio Tinto adicionou 1,5%.

O índice do dólar, que acompanha a moeda dos EUA em relação a uma cesta de moedas, ficou praticamente estável em 90,389. Em relação ao iene, o dólar firmou-se para negociar em 107,83, ante níveis em torno de 107,65 vistos no final da última sessão.

Na frente das commodities, os preços do petróleo estavam ligeiramente mais baixos durante o horário asiático. Na sexta-feira, os preços do petróleo haviam caído inicialmente após comentários do presidente Donald Trump no Twitter de que a OPEP estava mantendo os preços do petróleo "artificialmente muito altos".

EUROPA: As bolsas europeias operam em baixa nesta segunda-feira, com investidores fazendo malabarismos com uma nova rodada de balanços corporativos, inclusive do banco suíço UBS Group AG, ao lado de novas leituras mensais sobre índice de atividade manufatureira e de serviços europeus, que mostraram sinais de fraqueza. 

O índice Stoxx Europe 600 cai 0,14%, pesada pelos grupos de bens de consumo e utilitários, enquanto os grupos de saúde e telecomunicações sobem. Na sexta-feira, o pan-índice fechou em queda, mas terminou a semana com alta de 0,7%, o quarto avanço semanal consecutivo. 

O euro cai 0,4394% frente ao dólar e é negociado a US $ 1,2271, ante US $ 1,2289 visto na quinta-feira em Nova York. Os movimentos ocorrem antes da reunião do Banco Central Europeu nesta semana.

Os investidores observarão o que Draghi e o BCE vão dizer sobre a continuidade das medidas de flexibilização quantitativa do banco quando divulgarem a decisão política da próxima reunião na quinta-feira.

O IHS Markit disse que a leitura de abril para a atividade de serviços da zona do euro foi de 55,0, acima de uma estimativa de 54,8, enquanto o PMI flash de produção ficou em 56,0 atingindo as expectativas.

O banco UBS cai 4%, mesmo com o lucro líquido do primeiro trimestre do banco suíço subindo 19%, apoiado pelo desempenho de sua unidade de gestão de patrimônio.

O FTSE 100 do Reino Unido oscila entre pequenas altas e baixas, após o índice de blue-chips de Londres subir 1,4%  na semana passada, com a libra desmoronando. A moeda da rainha caiu após dados econômicos decepcionantes  e depois que o governador do Banco da Inglaterra, Mark Carney, lançou dúvidas sobre um possível aumento da taxa de juros em maio. 

A probabilidade de um aumento na taxa em maio caiu pela metade na semana passada, de 90% para 45%, depois do questionamento de Carney, no entanto, a decisão do Comitê de Política Monetária é apenas um dos muitos fatores que afetam as perspectivas para a libra esterlina nesta semana.  Com o crescimento econômico do Reino Unido ficando para trás em relação à outras grandes economias e o destino do Brexit parecendo definitivo, a força recente da libra esterlina corre o risco de se inverter acentuadamente, particularmente se a posição do primeira-ministra May ficar sob pressão.

A primeira estimativa do crescimento econômico do Reino Unido no primeiro trimestre será divulgado na sexta-feira.

As empresas de mineração continuaram subindo em Londres, aproveitando do temor de que as sanções dos EUA contra a Rússia afetariam significativamente a oferta de certos metais. Antofagasta sobe 1,1%, BHP Biliton avança 0,1% e Rio Tinto opera em alta de 0,3%.

EUA:
Os futuros de ações dos EUA operam sem direção na manhã desta segunda-feira, com os rendimentos do Tesouro voltando a subir e os investidores esperaram por mais uma semana de balanços.

O mercado também está aguardando os resultados desta semana de importantes empresas de tecnologia como a Google, Alphabet, Facebook e Twitter.

As ações fecharam em baixa na sexta-feira, puxadas pela fraqueza das ações de tecnologia e consumo básico, embora os principais índices ainda tenham registrado ganhos semanais. O DJIA caiu 0,82%, para 24.462,94 pontos, mas ainda terminou a semana em alta de 0,4%. Enquanto isso, o S & P 500 recuou 0,85%, para 2.670,14 pontos, mas também subiu 0,4% na semana. O Nasdaq Composite Index caiu 1,27%, para 7.146,13 pontos, mas ganhou 0,5% na semana.

Os rendimentos das obrigações, que estão refletindo no aumento das expectativas de inflação, estavam em alta na segunda-feira, uma continuidade dos ganhos registrados na semana passada. O rendimento da nota de 10 anos do Tesouro (TMUBMUSD10Y) sobe 0,85%, para 2,986% nesta segunda-feira, após saltar para 2,956% na sexta-feira, o maior nível desde janeiro de 2014.

O sentimento de aumento nas taxas de juros dos EUA ocorre à medida que os investidores começaram a precificar cada vez mais, a possibilidade de quatro aumentos de juros em 2018 pelo Fed, em vez dos três sinalizados pelos formuladores de políticas. Na sexta-feira, o mercado apontava para uma chance de 38% de quatro altas neste ano, em comparação com 24,5% em abril. 

A flexibilização dos riscos geopolíticos estava em foco depois que o líder norte-coreano Kim Jong Un disse no sábado que seu país fecharia seu local de testes nucleares e suspenderia o teste de mísseis de longo alcance. 

O índice de atividade nacional do Fed de Chicago para março está programado para ser divulgado às 9h30 da manhã. As leituras preliminares dos índices PMI de manufatura e serviços para abril da Markit são esperadas às 10h45, seguidas pelos dados sobre as vendas de casas existentes para março às 11h00.

ÍNDICES FUTUROS - 7h30:
Dow: -0,01%
SP500: +0,01%
NASDAQ: +0,10%

OBSERVAÇÃO: Este  material é um trabalho voluntário, resultado da compilação de dados divulgados em diversos sites da internet que são aqui resumidos de maneira didática para facilitar e agilizar a compreensão do leitor. O texto da sessão asiática está no tempo passado e a europeia no presente devido ao horário em que este relatório é redigido. Atentem-se para o horário de disponibilização dos dados.

quinta-feira, 19 de abril de 2018

RESENHA DA BOLSA - QUINTA-FEIRA 19/04/2018

ÁSIA: Os mercados da Ásia performaram positivamente durante a madrugada desta quinta-feira, em meio a uma melhora do sentimento dos investidores depois dos ganhos obtidos pelas bolsas americanas. Os preços do petróleo também reagiram depois de fecharem em alta de 3% na última sessão.

O índice da MSCI para as ações da região Ásia-Pacífico, excluindo o Japão, subiu quase 1%, liderado pelo aumento de 2,9% no setor de materiais básicos.

O Nikkei do Japão adicionou 0,15%, para fechar em 22.191,18 pontos, com o setor de materiais contribuindo para os ganhos. O índice reduziu parte dos ganhos no período da tarde, depois de atingir a máxima de sete semanas. Enquanto isso, os subíndices do Topix para aço e metais não-ferrosos estavam entre os setores de melhor desempenho, subindo 2,44% e 2,91%, respectivamente.

Os investidores também acompanharam a reunião entre o presidente dos EUA, Donald Trump e o primeiro-ministro japonês, Shinzo Abe, onde ambos se comprometerem a iniciar negociações comerciais. Os exportadores japoneses "certamente se beneficiarão" de quaisquer acordos de livre comércio entre os dois países.

Em Seul, o Kospi se firmou numa alta de 0,25%, em 2.486,10 pontos, em meio a ganhos em siderúrgicas e outras empresas de manufatura. O setor de tecnologia teve um desempenho misto, com a gigante Samsung Electronics fechando em alta de 2,76%.

Os mercados da China também avançaram: o índice Hang Seng de Hong Kong subiu 1,40%, com o setor de energia saltando 3,73%. Os produtores de petróleo se beneficiaram da alta nos preços do petróleo. As ações do setor de materiais subiam 4,26% antes do fechamento do mercado. No continente, o composto de Xangai adicionou 0,85% para fechar em 3.117,55 pontos e o composto de Shenzhen subiu 0,6% para 1.814,64 pontos.

Em Sydney, o ASX 200 subiu 0,33%, para terminar em 5.881 pontos. O setor de materiais subiu na esteira dos ganhos nos mercados de metais. A mineradora Rio Tinto saltou 3,2% e BHP Biliton subiu 3%. A última anunciou um aumento de 8% na produção de minério de ferro no terceiro trimestre, embora também tenha reduzido ligeiramente a meta do ano fiscal de 2018 para o minério de ferro.

EUROPA: Os mercados europeus operam entre altas e baixas na quinta-feira de manhã, com os investidores reagindo à novos ganhos e ao aumento dos preços do petróleo. O pan-europeu Stoxx 600 opera próximo da estabilidade durante os primeiros negócios da manhã, com as principais bolsas e setores apontando em direções opostas.

O índice FTSE 100 do Reino Unido opera em alta, na sequência de uma alta de 1,3% na quarta-feira. Naquela sessão, o benchmark de Londres teve seu melhor fechamento desde 5 de fevereiro, quando a libra caiu após os dados mostrarem uma queda inesperada na inflação.

Uma libra mais fraca tende a sustentar o índice britânico, já que suas empresas multinacionais geram a maior parte de suas vendas em moedas estrangeiras.

A libra move-se para baixo depois que os dados mostraram que as vendas no varejo caíram 1,2% no Reino Unido em março, comparativamente ao mês anterior. Os analistas previam um declínio de 0,4%. A leitura veio na esteira dos dados decepcionantes de salários e inflação publicados no início da semana, que foram vistos como uma forma de aliviar a pressão sobre o Banco da Inglaterra para aumentar as taxas mais de uma vez este ano.

Uma contínua recuperação do petróleo e dos metais também ajudam o FTSE 100, que tem o setor de commodities com peso ponderado significativo.

Os preços do níquel estavam sendo negociados no maior nível desde 2014, se beneficiando das preocupações de que a produtora russa de níquel Norilsk Nickel seria incluída nas sanções dos EUA contra Moscou.

As sanções contra a maior produtora russa de alumínio, a United Co. Rusal são vistas como vetor para a alta dos preços do alumínio para seu nível mais alto em mais de seis anos. O metal continua a sua alta nesta quinta-feira.

Entre as empresas de mineração listadas na LSE, Anglo American sobe 0,9%, Antofagasta e BHP Biliton sobem 0,4% cada e Rio Tinto registra uma ligeira queda de 0,2%.

Os preços do petróleo também sobem, sendo negociados no nível mais alto desde 2014, impulsionados pelos dados de oferta dos EUA na quarta-feira. Os investidores aguardam o resultado da reunião conjunta do Comitê de Monitoramento Ministerial dos Países Exportadores de Petróleo e não-OPEP, prevista para a sexta-feira.

EUA: Os índices futuros de ações dos Estados Unidos operam entre altas e baixas na manhã desta quinta-feira. Um fechamento positivo coloca os principais indicadores no caminho certo para o segundo dia consecutivo de alta, mantendo-se no curso para um ganho semanal, impulsionado pelo entusiasmo sobre os lucros corporativos do primeiro trimestre.

Na quarta-feira, o  DJIA caiu 0,16%, prejudicado por um "selloff" da IBM, após os últimos resultados da gigante de tecnologia, enquanto o S & P 500 subiu 0,08% e o Nasdaq avançou 0,19%. Os três indicadores mostram ganhos no acumulado do ano que variam de 0,1% a 5,7%, tendo se recuperado neste mês de suas quedas em março.

Os relatórios de lucros do primeiro trimestre atraíram a atenção dos investidores nesta semana, com a Netflix, Goldman Sachs e a UnitedHealth Group entre as empresas que divulgaram resultados animadores. Espera-se que os componentes do S & P 500 registrem um crescimento nos lucros de 17,3% no período, a maior taxa de expansão desde 2011.

Uma leitura sobre os pedidos de emprego semanais de abril e deve ser divulgados às 9h30 (horário de Brasília), com economistas esperando receber 230 mil pedidos. O índice de condições de negócios do Federal Reserve de Filadélfia será divulgado no mesmo horário.

Às 11h da manhã, o relatório de março do CB Leading Index está programado para ser divulgado.

Na frente do Federal Reserve, o governador do Fed, Lael Brainard, deve falar sobre a reforma regulatória em um fórum do setor financeiro em Washington, DC, às 9h da manhã.

Após a abertura do mercado, Randal Quarles, vice-presidente do Fed para supervisão financeira, deve prestar depoimento sobre a reforma regulatória perante um comitê do Senado às 11h da manhã.

Às 19h45, a presidente do Fed de Cleveland, Loretta Mester, deveria fazer um discurso sobre as perspectivas econômicas e políticas da escola de negócios da Universidade de Pittsburgh.

ÍNDICES FUTUROS - 7h30:
Dow: -0,11%
SP500: -0,18%
NASDAQ: -0,21%

OBSERVAÇÃO: Este  material é um trabalho voluntário, resultado da compilação de dados divulgados em diversos sites da internet que são aqui resumidos de maneira didática para facilitar e agilizar a compreensão do leitor. O texto da sessão asiática está no tempo passado e a europeia no presente devido ao horário em que este relatório é redigido. Atentem-se para o horário de disponibilização dos dados.

quarta-feira, 18 de abril de 2018

RESENHA DA BOLSA - QUARTA-FEIRA 18/04/2018

ÁSIA: Os mercados da Ásia fecharam em alta nesta quarta-feira, com a confiança dos investidores firmada após avanço de Wall Street.

No Japão, o Nikkei subiu 1,42%, para fechar em 22.158,20 pontos e o Topix, mais amplo, adicionou 1,14%. Os ganhos foram generalizados em meio a um iene mais fraco, com varejistas, empresas de petróleo e tecnologia entre os setores em ascensão.

Do outro lado do Estreito Coreano, o Kospi da Coreia do Sul avançou 1,07% para terminar em 2.479,98 pontos, impulsionado pelos ganhos observados nos setores de manufatura e finanças, entre outros. O setor de tecnologia fechou sem direção, embora a gigante Samsung Electronics tenha subido 2,76%.

O índice S & P / ASX 200 da Austrália subiu 0,34%, para terminar em 5.861,40 pontos, já que um ligeiro declínio no pesado sub-índice financeiro foi compensado pelos ganhos observados nos setores de materiais, energia e consumo. Entre as mineradoras, BHP Biliton fechou em alta de 0,1%, Fortescue Metals avançou 0,7% e Rio Tinto adicionou 0,8%.

Em outros lugares, o Índice Hang Seng de Hong Kong subiu 0,74%, para 30.284,25 pontos, assim como no continente, onde as bolsas também terminaram o dia em território positivo, com o composto de Xangai fechando em alta de 0,8%, em 3.091,31 pontos e o composto de Shenzhen avançando 1,08%, para 1.803,84 pontos.

Os ganhos nos mercados chineses foram impulsionados pela alta no setor bancário, depois que o banco central da China anunciou na terça-feira que está cortando a exigência de reserva em 100 pontos base para a maioria dos bancos. O corte nas reservas compulsórias da China é favorável ao sentimento de risco, uma vez que o lucro dos bancos devem melhorar com custos de captação mais baixos.

Apesar da escalada, as montadoras chinesas sofreram uma surra depois que Pequim anunciou planos para aliviar as restrições em seu mercado automotivo.

As recentes tensões comerciais também surgiram após o anúncio da China na terça-feira de que imporia taxas às importações de sorgo dos EUA. Os anúncios feitos pela China refletiram um pouco o sentimento de "dar e receber".

O índice do dólar , que acompanha o dólar em relação a uma cesta de moedas, ampliou os ganhos para 89.630, depois de ter caído anteriormente para uma baixa de três semanas no início da semana. Em relação ao iene , o dólar se firmou para negociar a 107,27 após cair na última sessão.

EUROPA: Os mercados acionários europeus operam em alta pela segunda sessão consecutiva na quarta-feira, quando as tensões e preocupações geopolíticas sobre uma possível guerra comercial EUA-China continuaram a desvanecer e o foco voltou-se para a temporada de lucros corporativos.

O índice Stoxx Europe 600 sobe 0,12%, somando-se a alta de 0,8% na terça-teira, quando o benchmark terminou em uma alta de sete semanas.

A leitura final sobre a inflação na zona do euro em março ficou em 1,3%, abaixo da leitura rápida de 1,4%, mas acima de 1,1% em fevereiro. Analistas esperavam uma leitura de 1,4% e a decepção pesou sobre o euro.

O índice FTSE 100 do Reino Unido avança após a libra recuar na sequência dos dados de inflação decepcionantes que caiu para 2,5% em março, abaixo dos 2,7% em fevereiro e abaixo das previsões de uma leitura de 2,7%. A leitura mais fraca é uma boa notícia para as famílias, mas poderia dar ao governador do Banco da Inglaterra, Mark Carney, uma dor de cabeça antes da reunião de definição de políticas do mês que vem. O mercado está precificando um aumento na taxa de juros, mas a queda da inflação pode trazer um aumento menor do que o esperado. A libra esterlina caiu para US $ 1,4185, ante US $ 1,4290, na terça-feira em Nova York.

Entre as mineradoras em alta, as ações da Glencore sobem 3,02%, as da Anglo American avançam 2,37% e BHP Billiton adicionam 2,31%.

EUA:
Os futuros de ações dos Estados Unidos apontaram para uma alta na quarta-feira, colocando o Dow a caminho para uma recuperação baseada nos lucros corporativos que o levou de volta ao território positivo para o ano de 2018.

Na terça-feira, o DJIA subiu 0,87%, S & P 500 adicionou 1,07% e o Nasdaq fechou com ganho de 1,74%, todos registrando ganhos pelo segundo dia consecutivo. No ano, o Dow sobe 0,3% para o ano, o S & P 500 e o Nasdaq sobem 1,2% e 5,5%, respectivamente, em 2018.

Os temores em torno de uma possível guerra comercial e preocupações geopolíticas diminuíram muito, bem como sobre o conflito na Síria. A Coreia do Norte também tem sido uma preocupação neste ano e a nação isolada é notícia novamente na quarta-feira, graças a relatos de que o diretor da CIA, Mike Pompeo, fez uma viagem secreta para se encontrar com o líder norte-coreano Kim Jong Un, em Pyongyang durante a Páscoa. Pompeo foi discutir os termos da próxima reunião de Kim com o presidente Donald Trump.

As ações do gigante bancário Morgan Stanley e do peso-pesado Abbott Laboratories seguem em foco, já que estão entre as empresas que devem divulgar seus ganhos antes da abertura.

O Livro Bege do Fed está programado para ser lançado às 15 horas. Ele dará evidências sobre as condições econômicas dos 12 distritos do banco central.

O presidente do Fed de Nova York, William Dudley, deve fazer um discurso sobre as perspectivas econômicas em uma faculdade de Nova York às 16h15 (horário de Brasília). Depois disso, o vice-presidente de supervisão bancária do Fed, Randal Quarles, deverá fazer comentários no Comitê de Bretton Woods, em Washington, DC, às 17h15.

ÍNDICES FUTUROS - 7h30:
Dow: +0,17%
SP500: +0,20%
NASDAQ: +0,21%

OBSERVAÇÃO: Este  material é um trabalho voluntário, resultado da compilação de dados divulgados em diversos sites da internet que são aqui resumidos de maneira didática para facilitar e agilizar a compreensão do leitor. O texto da sessão asiática está no tempo passado e a europeia no presente devido ao horário em que este relatório é redigido. Atentem-se para o horário de disponibilização dos dados.

terça-feira, 17 de abril de 2018

RESENHA DA BOLSA - TERÇA-FEIRA 17/04/2018

ÁSIA: Os mercados asiáticos fecharam sem direção nesta madrugada de terça-feira, com investidores digerindo a divulgação de uma série de dados da China. O índice de ações da MSCI para a Ásia-Pacífico, excluindo o Japão, caiu 0,34%. 

Em Tóquio, o Nikkei subiu 0,06%, para fechar em 21.847,59 pontos, após negociar entre altas e baixas durante o dia. O Topix caiu 0,36%, com o setor de petróleo registrando ganhos em meio às quedas observadas na maioria dos ;setores. O dólar estendeu as perdas contra o iene, sendo negociado a 106,92, em comparação com níveis acima do patamar de 107,1 visto na sessão anterior.

Em Seul, o Kospi caiu 0,15% para terminar em 2.453,77 pontos. Fabricantes de automóveis e siderúrgicas subiram, enquanto a gigante Samsung Electronics caiu 0,72%.

Abaixo, o ASX 200 da Austrália terminou o dia inalterado em 5.841,50 pontos, com ações financeiras caindo 0,33% e pesando sobre o índice mais amplo.

Os mercados da China fecharam em baixa após a divulgação de dados importantes na terça-feira. O índice Hang Seng de Hong Kong recuou 0,83%, com o setor de tecnologia e bens de consumo entre os setores com pior desempenho Desenvolvedores imobiliários e financeiros também foram negociados em baixa.

No continente, os mercados da China também recuaram. O composto de Xangai perdeu 1,39% e fechou em baixa pela quarta sessão consecutiva e o composto de Shenzhen caiu 2,2%. A economia da China cresceu 6,8% no primeiro trimestre de 2018, superando uma estimativa de 6,7% sobre o crescimento anual  projetado em uma pesquisa da Reuters. Segundo analistas, a e economia da China entrou em 2018 com um sólido crescimento, mas o ímpeto diminuiu em março, comparado aos dois primeiros meses, apontando para um crescimento mais lento à frente. Entre outros dados divulgados, as vendas no varejo em março foram melhores do que o esperado, enquanto o crescimento da produção industrial no mês e o investimento em ativos fixos no primeiro trimestre não atingiram as estimativas.

EUROPA: As bolsas europeias operam em alta na manhã de terça-feira, seguindo a liderança otimista do dia anterior nos EUA, quando as atenções se deslocaram das preocupações geopolíticas para a temporada de lucros corporativos.

O índice Stoxx Europe 600 sobe 0,41%, recuperando as perdas de 0,4% da segunda-feira, quando os operadores digeriram um ataque de mísseis liderado pelos EUA contra a Síria no fim de semana.

O índice FTSE 100 do Reino Unido também apaga as perdas do dia anterior e opera ligeiramente positivo. A reversão veio após a queda da libra frente ao dólar depois que os salários do Reino Unido não mostraram o crescimento sólido que alguns esperavam. Os salários com e sem bônus aumentaram 2,8%, o que significa que, pela primeira vez em quase um ano, os salários cresceram ligeiramente acima da inflação.

Os dados estavam de acordo com as estimativas da FactSet, mas alguns traders e analistas esperavam que o crescimento salarial, incluindo bônus, chegasse a 3%. Tal leitura se deve à força do aumento da taxa de juros do Banco da Inglaterra em maio. 

O Office for National Statistics do Reino Unido também atualizou outros dados do mercado de trabalho em fevereiro. A taxa de desemprego caiu para 4,2%, em comparação com 4,3% em janeiro, para novamente atingir seu nível mais baixo desde 1975, segundo o Escritório de Estatísticas Nacionais. A queda foi impulsionada pelo aumento do emprego.

A decepção puxou a libra de sua alta intraday de $ 1,4377, que também foi o nível mais alto desde o Brexit  em 2016.

Entre as mineradoras listadas na LSE, Anglo American, Antofagasta avançam 0,2% cada, enquanto BHP Biliton sobe 0,3%.

O índice do sentimento econômico alemão ZEW para abril caiu para -8,2, abaixo das previsões de uma leitura de -1,5 e abaixo de 5,1 de março. O índice de condições atuais do ZEW caiu para 87,9, ante 90,7 de março, mas bateu a leitura de 86 esperada em uma pesquisa da FactSet.

EUA:
Os futuros de ações dos EUA avançam nesta manhã de terça-feira, com o otimismo sobre os lucros do primeiro trimestre ditando o tom mais uma vez, com os resultados do Goldman Sachs Group Inc. sendo divulgado antes do início do pregão.

Na segunda-feira, enquanto o ânimo com os balanços corporativos apagavam os temores sobre as tensões no Oriente Médio, o DJIA fechou em alta de 0,87%, ficando brevemente de sua média móvel de 50 dias, terminando o dia em 24.573,04 pontos. O índice S & P 500 adicionou 0,81% e ficou positivo no ano, enquanto o Nasdaq Composite Index ganhou 0,70%.

Espera-se que o tom otimista em relação à rodada dos balanços do primeiro trimestre continue sendo um fator determinante para as ações na terça-feira. As empresas listadas no S & P 500 deverão ter um crescimento de 17,3% nos lucros durante o período e a taxa mais rápida desde 2011. Os resultados da GSK, serão acompanhados de perto, já que os lucros dos bancos não conseguiram impressionar os mercados.

A falta de escalada nas tensões comerciais entre a China e os EUA também encorajou os investidores. Essa confiança pode derrubar as notícias de que os EUA estariam buscando maneiras de retaliar a Pequim por suas medidas restritivas de acesso das empresas de tecnologia americanas ao mercado chinês.

Entre outras notícias, autoridades dos EUA e do Reino Unido alertaram que a Rússia aumentou os ataques cibernéticos contra empresas americanas e britânicas e agências governamentais. As relações entre os três países tem sido tensas desde que os EUA, a França e a Grã-Bretanha lançaram ataques com mísseis contra instalações de armas químicas do governo sírio apoiado pela Rússia.

Várias autoridades do Fed estão agendados para falar em público na terça-feira. O presidente do Fed de São Francisco, John Williams, que disse que apoia três ou quatro aumentos graduais nas taxas de juros este ano, deve fazer um discurso em Madrid às 10h15. O vice-presidente do Fed para Supervisão Financeira, Randal Quarles, prestará depoimento ao Comitê de Finanças da Câmara sobre a reforma regulatória às 11h00.

Três membros não-votantes do Fed estão na pauta: o presidente do Fed de Filadélfia, Patrick Harker, fará uma palestra sobre economia no ensino superior na St Joseph's University, na Filadélfia, às 12h00, enquanto o presidente do Fed de Dallas, Rob Kaplan, deve comparecer no Fórum Econômico Internacional das Américas em Coral Gables, Flórida, às 13h00. O presidente do Fed de Chicago, Charles Evans, deve falar sobre economia e política monetária para o Rotary Club de Chicago às 14h10.

Quanto às atualizações econômicas, as leituras sobre o início e licenças de construção para março estão programadas para serem divulgadas às 9h30. Os dados sobre a produção industrial e utilização de capacidade fabril para o mesmo mês são devidos às 10h15 da manhã.

ÍNDICES FUTUROS - 7h30:
Dow: +0,60%
SP500: +0,50%
NASDAQ: +0,50%

OBSERVAÇÃO: Este  material é um trabalho voluntário, resultado da compilação de dados divulgados em diversos sites da internet que são aqui resumidos de maneira didática para facilitar e agilizar a compreensão do leitor. O texto da sessão asiática está no tempo passado e a europeia no presente devido ao horário em que este relatório é redigido. Atentem-se para o horário de disponibilização dos dados.

segunda-feira, 16 de abril de 2018

RESENHA DA BOLSA - SEGUNDA-FEIRA 16/04/2018

ÁSIA: As bolsas asiáticas fecharam misturadas na segunda-feira, enquanto investidores digeriam os ataques aéreos na Síria liderados pelos EUA no sabado. O índice de ações da MSCI para a região Ásia-Pacífico, excluindo o Japão, caiu 0,69%.

O Nikkei do Japão subiu 0,26%, para fechar em 21.835,53, enquanto o Topix acrescentou 0,4%, apesar do dólar cair ligeiramente frente ao iene, negociando a 107,21 após chegar a 107,61 no início da sessão. Os setores bancário e de valores mobiliários terminaram moderadamente mais baixos, enquanto "utilities" e produtos farmacêuticos contribuíram para os ganhos gerais.

Na Coreia do Sul, o Kospi caiu para território negativo antes de fechar em alta de 0,1%, para 2.457,49 pontos. As ações de tecnologia pintaram um quadro misto, com a Samsung Electronics ganhando 1,08%, enquanto a maioria das ações de manufaturados fechou em baixa. 

Enquanto isso, o ASX 200 da Austrália avançou 0,21% para terminar em 5.841,30 pontos, com ganhos liderados por ações de energia e serviços públicos. Entre as mineradoras, BHP Biliton subiu 0,8%, mas Fortescue Metals caiu 0,8% e Rio Tinto perdeu 0,3%.

Os mercados da China tiveram um desempenho inferior aos seus pares regionais. O índice Hang Seng de Hong Kong caiu 1,60%, com os setores financeiros e tecnológicos pesando sobre o índice. Promotores imobiliários também fecharam em baixa, com a China Evergrande caindo 5,3% antes do fechamento do mercado. Essas quedas ocorreram porque o dólar de Hong Kong é atrelado ao dólar.

As ações da empresa russa de alumínio Rusal, cotadas em Hong Kong, despencaram 28,92% após notícias de que os EUA estavam preparando sanções adicionais contra a Rússia. A embaixadora dos EUA na ONU, Nikki Haley, disse no domingo que essas medidas serão anunciadas nesta segunda-feira.

No continente, o composto de Xangai perdeu 1,53%, para fechar em 3.110,75 pontos e o composto de Shenzhen recuou 0,52%, para terminar em 1.824,77 pontos. O índice CSI 300 das blue chip, por sua vez, caiu 1,6% devido fraqueza das seguradoras e bancos.

As tensões relacionadas a uma disputa comercial entre os EUA e a China, as duas maiores economias do mundo, pareceram desvanecer depois de dominar as manchetes nas últimas semanas. Há algumas evidências de que os dois lados recuaram um pouco depois que o presidente chinês Xi Jinping defendeu o livre comércio no Boao Forum e Trump expressou otimismo de que um acordo comercial poderia eventualmente ser acordado, mesmo assim, é improvável que as questões relacionadas estejam longe das mentes dos investidores depois que um relatório do The Wall Street Journal na semana passada apontou que Trump estava ameaçando bloquear o investimento chinês em tecnologia nos EUA.

No mercado das commodities, tanto o West Texas Intermediate quanto o Brent declinaram após registrar sua melhor semana desde julho na sexta-feira.

EUROPA: As bolsas europeias caíram na segunda-feira, com os comerciantes pesando os ataques limitados ao regime sírio no fim de semana. O Stoxx Europe 600 opera entre altas e baixas. O indicador pan-europeu registra uma queda de 2,7% no ano.

As ações da Whitbread sobem 6,71% depois que a Elliott Management disse em um comunicado no fim de semana que acumulou uma participação de mais de 6% na maior operadora de hotéis e cafeterias da Grã-Bretanha e que acredita que seja atualmente o maior investidor da empresa, cujos negócios incluem a rede Premier Inn e a rede Costa Coffee. O movimento é visto como uma pressão sobre a Whitbread para desmembrar seus negócios da Costa Coffee.

Software AG cai 5,80% após o fornecedor alemão de software de processo e integração elevar sua perspectiva de 2018 de receita vinculada à computação em nuvem e à chamada "Internet das Coisas", mas a empresa também divulgou um declínio na receita do primeiro trimestre de outros negócios da empresa.

As ações da Rússia perdem terreno na segunda-feira, com a administração Trump prestes a impor mais sanções ao país. Nikki Haley, embaixadora dos EUA na ONU, disse no programa de TV "Fox News Sunday" que as sanções terão como alvo empresas ligadas ao regime sírio e suas armas químicas. Espera-se que eles sejam adicionadas às medidas anunciadas no dia 6 de abril que visou entidades e indivíduos russos. O RTS Index, indicador que acompanha ações listadas em Moscou, sofre uma queda de 0,8% para 1.096,45 pontos. VanEck Vectors da Rússia listados nos EUA cai 1,3% no "pré-market". O rublo russo sobe em relação ao dólar, com um dólar comprando 61,83 rublos, ante 62,35 na sexta-feira em Nova York, mas o dólar havia negociado acima de 63 rublos na segunda-feira, e sobe 8% neste mês contra a moeda russa. 

O FTSE 100 opera em baixa, apagando um pouco o seu ganho após três altas semanais consecutivas. O benchmark de Londres permanece em baixa de 5,6% no ano. A libra avança 0,4354% frente ao dólar e é negociada a US $ 1,4263, acima dos US $ 1,4239 de sexta-feira em Nova York. 

Polymetal despenca 7,28% depois que a mineradora sediada na Rússia. As ações listadas em Londres já caíram 15% em abril, visto que os ativos relacionados à Rússia sofreram um "selloff" após outra rodada de sanções dos EUA contra entidades e indivíduos russos.

Entre outras mineradoras listadas na LSE, Anglo American cai 0,8%, Antofagasta recua 0,5% e Rio Tinto perde 0,6%, enquanto BHP Biliton avança 0,2%, pois a mineradora também tem uma atuação significativa no setor de energia.

EUA:
Os futuros de ações dos EUA operam em alta na manhã desta segunda-feira, com o mercado avaliando as notícias de ataques lideradas pelos EUA contra o regime sírio e voltando seu foco para uma nova rodada de balanços corporativos. 

Na sexta-feira , o Dow Industrial caiu 0,5%, para fechar em 24.360,14 pontos, o índice S & P 500 recuou 0,29% e o Índice Nasdaq perdeu 0,47%. Durante a semana, o Dow registrou um ganho de 1,8%, enquanto o S & P subiu 2% e o Nasdaq produziu um ganho semanal de 2,8%.

O alívio de que os EUA não sejam arrastados para um conflito mais profundo contra aliados sírios, a Rússia e Irã, está ajudando a elevar os futuros de ações dos EUA e a baixar os preços do petróleo.

Os EUA se uniram às aliadas França e Grã-Bretanha para lançar mísseis no sábado que destruíram grande parte das capacidades de armas químicas da Síria. Preocupações com a possibilidade dessa ação ajudaram a derrubar as ações na sexta-feira. 

No domingo, as forças do presidente Bashar al-Assad desencadearam ataques aéreos contra rebeldes locais no que é visto como uma demonstração da força continuada de seu regime. 

Os investidores podem ficar pressionados as preocupações globais, como a Síria e a disputa comercial persistente com a China na segunda-feira, mas o foco se concentrará sobre ganhos de grandes empresas como o Bank of America, Netflix e General Electric.

Espera-se que o Bank of America Corp. divulgue seus resultados antes da abertura dos mercados locais e será observado de perto depois que as ações de outros quatro grandes bancos perderam terreno após seus relatórios de lucros na sexta-feira. JPMorgan Chase & Co. caiu 2,71%, Citigroup perdeu 1,55% e o Wells Fargo & Co. despencou 3,43%, mesmo após ganhos em linha ou melhores do que o esperado. Alguns especialistas dizem que isso pode ser devido às preocupações de que o crescimento dos lucros tenha atingido seu pico.

Os relatórios sobre as vendas no varejo em março, com e sem automóveis, estão programados para serem liberados às 9h30, horário de Brasilia. Economistas consultados estimam um ganho de 0,4% para o total, o que marcaria o primeiro aumento em quatro meses.

A Empire State Manufacturing Survey de Abril será divulgado ao mesmo tempo, enquanto o índice dos construtores da construção civil para o mesmo mês está previsto para as 11 horas da manhã. Uma leitura dos estoques em fevereiro é esperada também às 11 horas da manhã.

Será uma semana agitada para os oradores do Federal Reserve, com investidores ouvindo pelo menos 10 autoridades, incluindo o presidente do Fed de Chicago, Charles Evans e o presidente de San Francisco, John Williams.

O presidente do Fed de Atlanta, Raphael Bostic, fará um discurso na segunda-feira sobre as tendências do mercado rural e econômico na Câmara de Comércio de Shoals, em Florence, Alabama, às 13h15, horário do leste dos EUA.

ÍNDICES FUTUROS - 7h30:
Dow: +0,60%
SP500: +0,58%
NASDAQ: +0,60%

OBSERVAÇÃO: Este  material é um trabalho voluntário, resultado da compilação de dados divulgados em diversos sites da internet que são aqui resumidos de maneira didática para facilitar e agilizar a compreensão do leitor. O texto da sessão asiática está no tempo passado e a europeia no presente devido ao horário em que este relatório é redigido. Atentem-se para o horário de disponibilização dos dados.

quinta-feira, 12 de abril de 2018

RESENHA DA BOLSA - QUINTA-FEIRA 12/04/2018

ÁSIA: As bolsas de valores asiáticas fecharam em baixa nesta quinta-feira, com a confiança do investidor abalada em meio a tensões geopolíticas. O amplo índice de ações da MSCI para a região da Ásia-Pacífico, excluindo o Japão, recuou 0,54%.

O Nikkei do Japão recuou 0,12%, para fechar em 21.660,28 pontos, enquanto o Topix caiu 0,39%, pesada pelos setores das montadoras e de petróleo, enquanto o setor de bens de consumo registrou ligeiros ganhos à medida que os investidores digeriam relatórios de lucros. A varejista japonesa Aeon saltou 4,06% depois que a empresa anunciou que o lucro anual subiu 14% em comparação com o ano anterior.

Na Coreia do Sul, o Kospi entregou os ganhos do dia no final da sessão, caindo 0,06%, em 2.442,71 pontos. "Players" de cosméticos afundaram, mas as ações relacionadas à petróleo e a maioria das "techs" avançaram. ;a gigante Samsung Electronics encerrou a sessão com alta de 0,29%. o Banco da Coreia manteve as taxas de juros estáveis ​​em 1,5%, um movimento amplamente esperado pelo mercado.

Na Austrália, o índice ASX 200 fechou em queda de 0,23%, em 5.815,50 pontos, com ganhos nos subíndices de materiais e energia sendo compensados ​​pelos movimentos menores nos setores industriais e o financeiro, este último, altamente ponderado. Entre as mineradoras, BHP Biliton avançou 0,7%, enquanto Rio Tinto adicionou 0,3%.

O índice Hang Seng de Hong Kong também entregou os ganhos iniciais e fechou em baixa de 0,23%, apesar da força no setor de energia, impulsionada pelo avanço nos preços do petróleo. As "techs" recuaram. Tencent caiu 2,19%. No continente, entretanto, as bolsas fecharam em território negativo. O composto de Xangai caiu 0,87% para terminar em 3.180,20 pontos e o composto de Shenzhen terminou o dia em queda de 0,58%, para 1.840,27 pontos.

No mercado de divisas, o dólar reduziu parte das perdas depois de sofrer pressão contra a moeda japonesa, considerada um porto seguro, em meio ao avanço dos riscos geopolítico da noite para o dia. Em relação ao iene, o dólar foi negociado a 106,83, enquanto o índice do dólar, que acompanha a moeda dos EUA em relação a seis moedas rivais, ficou praticamente estável em 89.532.

É importante ressaltar que o dólar de Hong Kong atingiu uma baixa de 33 anos na quinta-feira, sendo negociado entre 7,75 e 7,85 por dólar. A moeda, que está atrelada ao dólar, fechou a 7,8498 por dólar.

Os preços do petróleo somaram à alta da última sessão, à medida que os mercados se concentravam no avanço do risco geopolítico. O Brent tocou em seus mais altos níveis em mais de três anos na última sessão após tweet de Trump na quarta-feira, provocar a Rússia sobre um possível ataque com mísseis contra a Síria.

EUROPA: As bolsas europeias operam entre altas e baixas, com preocupações sobre um possível conflito militar na Síria impedindo os investidores de fazer grandes apostas nos mercados acionários. O índice Stoxx Europe 600 abriu em baixa, somando uma perda de 0,6% em relação à quarta-feira.

A ata da reunião de março do Banco Central Europeu também estará em foco às 8h30, com os investidores observando qualquer sugestão sobre o futuro da política monetária do banco. Investidores buscam qualquer indício do BCE de encerrar seu agressivo programa de flexibilização quantitativa neste ano, como qualquer sinal "hawkish" para elevar o euro.

O índice FTSE 100 do Reino Unido também operam entre pequenas altas e baixas, seguindo seus pares regionais. O índice de referência de Londres caiu 0,1% na quarta-feira. A libra sobe 0,0071% frente ao dólar, para US $ 1,4188, ante 1,4178 dólares da quarta-feira em Nova York.

Em uma nota pessimista, Glencore cai 0,67% em Londres, depois que a Bloomberg informou que a trader de commodities foi forçado a declarar força maior em alguns contratos de alumínio devido sanções dos EUA contra a empresa russa United Co Rusal. Entre outras mineradoras listadas na LSE, Anglo American cai 1%, Antofagasta perde 1,1%, BHP Biliton perede 0,7% e Rio Tinto recua 0,5%.

A produção industrial na zona do euro caiu pelo terceiro mês consecutivo em fevereiro, uma indicação de que o crescimento econômico pode estar desacelerando à medida que o Banco Central Europeu enfrenta uma decisão importante sobre um de seus principais programas de estímulo. A produção industrial foi 0,8% menor do que em janeiro, a maior queda mês a mês desde o final de 2016. O declínio foi uma surpresa, já que economistas esperavam um aumento de 0,2%. A produção industrial caiu 0,1% em dezembro e 0,6% em janeiro. O rápido crescimento da produção industrial foi um dos principais impulsionadores do desempenho surpreendentemente forte da economia da zona do euro em 2017, quando registrou seu crescimento mais rápido em uma década. 

EUA
Os futuros de ações dos EUA tentam-se manter em território positivo na quinta-feira, sinalizando que a Dow pode apagar parte da queda do dia anterior, que foi atribuída em parte à escalada das tensões na Síria.

Na quarta-feira, o DJIA fechou em baixa de 219 pontos, ou queda de 0,9%, enquanto o S & P 500 caiu 0,55% e o  Nasdaq Composite recuou 0,36%.

Preocupações geopolíticas estão pesando sobre os investidores, depois que o presidente Donald Trump sinalizou na quarta-feira em um tweet que um ataque de mísseis contra a Síria não estava longe, dizendo: "Prepare-se, Rússia". A possibilidade de um ataque contra o presidente sírio, Bashar al-Assad, apoiado pela Rússia, vem crescendo desde do ataque de armas químicas, sancionado pelo governo, matar civis em Damasco no fim de semana.

Enquanto isso, as preocupações com uma potencial guerra comercial global continua, após uma autoridade do governo chinês negar na quinta-feira que as mudanças políticas recentemente anunciadas constituem concessões à administração Trump.

Os investidores também digerem a divulgação da ata da reunião de março do Federal Open Market Committee (Comitê Federal de Mercado Aberto), que apontou que "todos" os formuladores de políticas esperam que a economia dos EUA continue melhorando e que a inflação suba. Essas visões reforçaram a crença de que mais aumentos das taxas de juros se aproximarão.

Às 9h30, os relatórios das reivindicações semanais de desemprego e os preços de importação de março estão programados para serem divulgados, com economistas esperando receber 230 mil pedidos.

Às 18h00, após o fechamento do mercado, o presidente do Federal Reserve de Minneapolis, Neel Kashkari, deve participar de uma sessão de perguntas e respostas com Associated General Contractors de Minnesota.

ÍNDICES FUTUROS - 7h30:
Dow: +0,35%
SP500: +0,37%
NASDAQ: +0,41%
OBSERVAÇÃO:
Este  material é um trabalho voluntário, resultado da compilação de dados divulgados em diversos sites da internet que são aqui resumidos de maneira didática para facilitar e agilizar a compreensão do leitor. O texto da sessão asiática está no tempo passado e a europeia no presente devido ao horário em que este relatório é redigido. Atentem-se para o horário de disponibilização dos dados.

quarta-feira, 11 de abril de 2018

RESENHA DA BOLSA - QUARTA-FEIRA 11/04/2018

ÁSIA: As bolsas asiáticas fecharam sem direção nesta quarta-feira, com vários mercados regionais devolverem os ganhos iniciais. A recuperação da confiança dos investidores diminuiu ligeiramente na quarta-feira. Os acentuados ganhos vistos em Wall Street não se concretizaram durante a sessão asiática. O amplo índice de ações da MSCI para a região Ásia-Pacífico, excluindo o Japão, fechou em alta de apenas 0,02%.

Analistas dizem que embora os comentários do presidente chinês, Xi Jinping, na terça-feira tenham sido positivos, eles provavelmente não resolvem instantaneamente as recentes tensões entre os EUA e a China, pois não é uma solução rápida e provavelmente levará de três a seis meses até que tudo seja resolvido.

Em Tóquio, o Nikkei do Japão caiu 0,48%, em 21.687,10 pontos, depois de fechar em alta nas últimas duas sessões. Setor financeiro e produtores de petróleo registraram ganhos, mas houve quedas nos setores de bens de consumo. Os pedidos de máquinas do Japão, uma medida altamente volátil, subiram 2,1% em fevereiro em comparação com o mês anterior, superando a previsão de uma queda de 2,5%.

Do outro lado do Estreito da Coreia, o Kospi terminou em baixa de 0,27%, para 2.444,22 pontos, com os ganhos observados no início do dia serem pulverizados, enquanto o Kosdaq avançou 0,92%.

Enquanto isso, em Sydney, o ASX 200 caiu 0,48% para terminar em 5.828,70 pontos, com a maioria dos sub índices permanecendo no vermelho, embora energia e materiais subissem. O setor financeiro altamente ponderado caiu 0,96%. Entre as mineradoras australianas, BHP Biliton fechou em alta de 1,9%, Fortescue Metals avançou 1% e Rio Tinto subiu 1,2%.

Os mercados da China negociaram em território positivo. O Índice Hang Seng de Hong Kong fechou em alta de 0,55%, com ganhos nos setores de energia e materiais. No fechamento do mercado, o índice ficou abaixo de sua máxima intradiária de 31.021,12 pontos visto no início do dia. O composto de Xangai subiu 0,56%, para 3.208,32 pontos e o composto menor de Shenzhen adicionou 0,53%, para terminar em 1.850,97 pontos.

O presidente do banco central da China, Yi Gang, prometeu ampliar o limite estrangeiro até 51% aos setores bancário, de valores mobiliários e de seguros neste ano e abrir uma ligação comercial entre as bolsas de valores de Londres e Xangai até o final do ano. Esses comentários foram feitos no Boao Forum, onde um dia antes Xi fez comentários amigáveis que provocaram uma recuperação global de ações. 

Contra a moeda japonesa, que é considerada um porto-seguro, o dólar reduziu parte dos ganhos obtidos em relação ao iene, em meio à melhora da confiança dos investidores. O dólar foi negociado em 107,03. 

O dólar australiano reduziu parte dos seus ganhos, depois de subir na última sessão, na esteira da recuperação do sentimento do mercado. O dólar australiano foi negociado em US $ 0,7747. A moeda recuou, em grande parte, devido à queda da inflação ao consumidor na China no mês passado. O índice de preços ao consumidor da China em março veio em 2,1%, abaixo do ganho de 2,6% esperado.

Enquanto isso, o índice do dólar, que acompanha o dólar em relação às seis moedas, ampliou as perdas para 89,502, com a queda do dólar em relação ao euro.

Na frente das commodities, os preços do petróleo caíram depois de saltar mais de 3% na sessão anterior.

EUROPA: As bolsas europeias operam em baixa nesta quarta-feira, após boatos de uma possível ação militar dos EUA contra a Síria, assustando os mercados. 

Uma agência européia de controle de tráfego aéreo emitiu um alerta na terça-feira para as companhias aéreas procederem com cautela na área do leste do Mediterrâneo nas próximas 72 horas, devido à possibilidade de ataques aéreos na Síria.

O Stoxx Europe 600 cai 0,23%, reduzindo sua alta para 0,7% no acumulado do ano, enquanto o benchmark pan-europeu de ações continua a mostrar um ganho semanal, ajudado pelo recuo das preocupações sobre a disputa comercial entre a China e os EUA, as duas maiores economias do mundo.

O euro sobe 0,1942% frente ao dólar e é negociado a US $ 1,2363, ligeiramente acima dos US $ 1,2356 visto na noite de terça-feira em Nova York.

O FTSE 100 do Reino Unido opera em queda, mas permanece em alta semanal, com um ganho de 1%. A libra avança 0,1058% frente ao dólar e é negociada a US $ 1,4216, acima de US $ 1,4177 registrado na terça-feira em Nova York. As mineradoras negociadas na LSE, devolvem parte dos polpudos ganhos obtidos na sessão de ontem. Anglo American cai 1,2%, Antofagasta recua 0,1% e Glencore perde 0,2%. A gigante BHP Biliton destoa, subindo 1%.

EUA
Os futuros de ações dos EUA caem nesta quarta-feira, pesada pela possibilidade de um ataque militar americano à Síria.

Na terça-feira, o otimismo global fez o Dow Jones Industrial Average subir 1,79%, para 24.408,00 pontos. O S & P 500 avançou 1,67% e o Nasdaq Composite Index subiu 2,07%.

Em uma nova preocupação geopolítica para os investidores, a possibilidade de uma desavença dos EUA contra o presidente da Síria, Bashar al-Assad, parecia estar crescendo, com o presidente Donald Trump e seu governo trabalhando para obter apoio internacional, após um suspeito ataque de armas químicas matar civis em Damasco no fim de semana, mas isso poderia levar em particular, os EUA a um conflito com a Rússia, que tem apoiado o regime de al-Assad.

As questões do comércio global estão menos proeminentes, pelo menos por enquanto, já que o mercado parece entrar em modo de "stand by" para ver se Trump estaria satisfeito com as concessões comerciais esboçadas pelo presidente da China, Xi Jinping, ou entraria em uma batalha mais prolongada.

O índice de preços ao consumidor para março deve ser divulgado às 9h30 (horário de Brasília), juntamente com os preços de seu núcleo. Economistas estão prevendo que os preços caiam 0,1% e que os preços do núcleo subam 0,2%. O orçamento federal deve ser entregue às 15 horas, com a ata da reunião mais recente do Fed devendo ser divulgada ao mesmo tempo.

ÍNDICES FUTUROS - 7h40:
Dow: -0,70%
SP500: -0,83%
NASDAQ: -0,88%

OBSERVAÇÃO:
Este  material é um trabalho voluntário, resultado da compilação de dados divulgados em diversos sites da internet que são aqui resumidos de maneira didática para facilitar e agilizar a compreensão do leitor. O texto da sessão asiática está no tempo passado e a europeia no presente devido ao horário em que este relatório é redigido. Atentem-se para o horário de disponibilização dos dados.

terça-feira, 10 de abril de 2018

RESENHA DA BOLSA - TERÇA-FEIRA 10/04/2018

ÁSIA: Os mercados asiáticos fecharam em alta nesta terça-feira, impulsionados pelos comentários do presidente chinês Xi Jinping no Fórum Boao para a Ásia, sobre medidas que visam melhorar o acesso à economia chinesa, incluindo a redução de tarifas de importação para carros e outros produtos, bem como o cumprimento da propriedade intelectual legal de empresas estrangeiras.

Analistas acreditam que a melhora no sentimento do mercado foi resultado do discurso de Xi, que reduziu os temores da ameaça de uma guerra comercial EUA-China das últimas sessões. 

Os mercados da região estavam negociando misturados antes do discurso de Xi, em meio a intensas tensões comerciais entre EUA e China nas últimas semanas.

No Japão, o índice Nikkei subiu 0,54%, para fechar em 21.794,32 pontos, depois de cravar um novo recorde intra-diário em 21.933,99 pontos. Os melhores desempenhos do dia incluíram os subíndice de ferro e aço e montadoras de autos.

Enquanto isso, o índice Kospi da Coreia do Sul fechou em alta de 0,27%, apesar da queda nas principais "techs".

Os mercados da China também ficou em território positivo. O Índice Hang Seng de Hong Kong saltou 1,65%. O setor de materiais superou o índice, registrando alta de 3,65% em relação ao fechamento do mercado.

No continente, o composto de Xangai ganhou 1,67%, para terminar em 3.190,65 pontos e o composto de Shenzhen subiu 0,51%, para terminar em 1.841,22.

Na Austrália, o ASX 200 avançou 0,83%, para 5.857 pontos, já que os subíndices de energia, materiais e financeiros registraram ganhos de mais de 1%.

Em relação ao iene, o dólar se firmou para negociar entre 107,15, ante níveis em torno do patamar de 106,9 vistos antes do discurso de Xi. Enquanto isso, o dólar australiano, que tende a ser sensível às notícias econômicas chinesas, subiu 0,47%, para US $ 0,7733. O índice do dólar ficou praticamente estável em 89.886.

EUROPA: As bolsas de valores europeias sobem, atingindo níveis próximos de três semanas, após o premier chinês elevar as esperanças de que uma guerra comercial global possa ser evitada.

Algumas ações russas tentaram se recuperar depois de um mergulho na segunda-feira, devido à pressão geopolítica em torno de Moscou.

O Stoxx Europe 600 sobe 0,67%, após subir 0,1% na segunda-feira. Se o benchmark pan-europeu se mantiver nos níveis atuais, será o melhor resultado desde 16 de março.

Ganhos ainda mais fortes são observados no DAX 30 da Alemanha, que sobe 1%, para 12.387,55 pontos, o melhor nível desde 12 de março. O CAC 40 da França sobe 0,7% para 5,298.98, o mais alto desde 28 de fevereiro. 

O FTSE 100 do Reino Unido sobe para níveis não vistos desde o final de fevereiro, junto a uma recuperação global impulsionada por comentários do presidente Xi Jinping, que prometeu abrir os mercados chineses.

O compromisso de Xi com empresas estrangeiras, feito em uma grande conferência na Ásia, pode ajudar a aliviar os temores de uma guerra comercial total entre os EUA e a China, um fator nos recentes surtos de volatilidade das ações.

O benchmark londrino subiu 0,2% na segunda-feira. Se o índice se mantiver em torno desses níveis, poderá ter o melhor fechamento desde 28 de fevereiro.

A libra esterlina sobe para um novo recorde de alta de duas semanas, depois dos comentários do legislador do Banco da Inglaterra, Ian McCafferty, de que não deveria haver atraso na elevação das taxas de juros. A libra sobe 0,2689% frente ao dólar e atinge US $ 1,4159 após as observações, ante US $ 1,4130 na noite de segunda-feira em Nova York. Em relação ao euro, a libra sobe 0,2180%, a € 1,1497.

As ações de mineração sobem em Londres após os comentários de Xi, já que a China é um grande comprador de metais industriais e preciosos. Rio Tinto e BHP Biliton sobem 2,7% cada e Glencore sobe 1,9%. A empresa anglo-suíça de mineração e comercialização de commodities disse que o presidente-executivo Ivan Glasenberg renunciou como diretor da United Co. Rusal, com base na Rússia, que caiu 7% em Hong Kong após uma queda de 50% na segunda-feira, após as últimas sanções dos EUA.

As ações da Evraz, uma empresa siderúrgica e mineradora com operações na Rússia, mas na sede em Londres, recuperaram 3,8% após liderar as perdas do FTSE na segunda-feira com uma perda de 14%, enquanto Polymetal International, uma mineradora com extensas operações na Rússia, recua 2% após uma queda de 18% na segunda-feira.

EUA
Os futuros de ações americanas registram uma forte recuperação na terça-feira, com investidores comprando as promessas do presidente chinês, Xi Jinping, de abrir os mercados do país.

As promessas de Xi, feitas em uma grande conferência na Ásia, podem ajudar a aliviar os temores de uma guerra comercial entre os EUA e a China, um fator que tem impulsionado a volatilidade das ações.

O Dow que chegou a subir 440 pontos durante a sessão, fechou com alta de  46,34 pontos, ou 0,2%, em 23.979,10 pontos. O S & P 500 recuou de um ganho de 1,9% para fechar com apenas 0,3% de alta. O índice Nasdaq terminou com alta de apenas 0,5%. Os movimentos no final do pregão de segunda-feira ocorreram por conta de relatos de que o Federal Bureau of Investigation havia invadido o escritório do advogado pessoal do presidente Donald Trump, Michael Cohen.

Uma leitura sobre os preços ao produtor para o mês de março é devida às 9h30 da manhã, seguida por um relatório sobre os estoques de atacado de fevereiro às 13h00.

ÍNDICES FUTUROS - 7h50:
Dow: +1,14%
SP500: 1,10%
NASDAQ: +1,45%

OBSERVAÇÃO:
Este  material é um trabalho voluntário, resultado da compilação de dados divulgados em diversos sites da internet que são aqui resumidos de maneira didática para facilitar e agilizar a compreensão do leitor. O texto da sessão asiática está no tempo passado e a europeia no presente devido ao horário em que este relatório é redigido. Atentem-se para o horário de disponibilização dos dados.