Veja Também

Veja Também

terça-feira, 31 de março de 2015

RESENHA DA BOLSA - HARAMOTO -  TERÇA-FEIRA 31/03/2015

ÁSIA:  As bolsas asiáticas fecharam sem direção nesta terça-feira, apesar de um fechamento positivo em Wall Street, depois que Pequim anunciou uma nova política para escorar o seu mercado imobiliário cambaleante. De acordo com uma declaração do Banco do Povo da China, a entrada exigida para a aquisição da segunda residência foi reduzido de 60% para 40% e os proprietários que tenham um imóvel comprados a mais de dois anos, estarão isentos do pagamento de impostos. O prazo exigido anteriormente era de cinco anos. O imposto, em torno de 5,5%, é normalmente repassado ao preço pago pelo comprador do imóvel e serão dispensados no momento da venda.

Shanghai Composite da China apagou os ganhos iniciais e recuou após renovar a máxima de sete anos atingidos na abertura, num movimento claro de realização de lucro. Invertendo os avanços anteriores, devido expectativas de apoio político, China Merchants Property , Poly Real Estate e China Vanke recuaram entre 1,5 e 3%. Bancos como Bank of Communications e Bank of China fecharam em queda de 1,5% cada, no entanto, os fabricantes de veículos ferroviários registraram recordes nos lucros em 2014; China CNR e CSR dispararam 14% cada.

Em Hong Kong, o  Hang Seng avançou 0,18%, seguindo o movimento de ontem, quando Pequim sinalizou que o país deve aliviar a política monetária para estimular o crescimento lento. Os fluxos de capital em Hong Kong, vindos do continente através do link de negociação Connect foram pesadas, atingindo um novo recorde de alta depois que fundos de investimento no continente receberam autorização para utilizar o programa que tem quatro meses de funcionamento.

Nikkei do Japão caiu 1,65%, com os investidores realizando lucros no último dia de negociação do ano fiscal e à frente de importantes dados econômicos, como a pesquisa Tankan do Banco do Japão devido na quarta-feira. Em particular, as empresas ferroviárias, como Central Japan Railway , West Japan Railway e East Japan Railway registraram perdas entre 3,9 e 5,4%

Contrariando a tendência de baixa, Fujifilm Holdings subiu quase 2% após a notícia de que está adquirindo a empresa americana de biotecnologia Cellular Dynamics Internacional por 307 milhões dólares americanos.

S & P ASX 200 recuperou das perdas de ontem e fechou com alta de 0,78%, frente a expectativa de antecipação no corte nas taxas de juros pela RBA, de maio para abril. Um fevereiro exuberante ajudou o benchmark a registrar um ganho de 9 % no primeiro trimestre de 2015, tornando-o o melhor trimestre desde Setembro de 2009 e do primeiro trimestre mais forte desde o ASX 200 iniciou, ajudada por um recorde de baixa das taxa de juros e dividendos elevados.

Os produtores de petróleo e gás, juntamente com as mineradoras, estavam entre os maiores ganhadores depois de estarem fortemente vendidos na sessão anterior. Liquefied Natural Gas saltou 4,3%, enquanto Santos e Woodside Petroleum subiram mais de 1% cada. BHP Billiton e Rio Tinto aumentaram 3 e 2,5%, respectivamente, apesar dos preços do minério de ferro registrarem uma nova baixa de seis anos durante a noite.

EUROPA:  As bolsas europeias recuam, com os investidores reagindo à dados econômicos da zona euro e à realização de lucros depois do rali na sessão anterior.

Dados de desemprego da zona do euro caiu para 11,3% em fevereiro, ante 11,4% em janeiro, mas maior do que a previsão de 11,2%. Esta foi a menor taxa desde maio de 2012. A inflação da zona euro ficou em -0,1% em março, ante  -0,3% de fevereiro, aliviando temores de deflação na união monetária.

Os investidores tem se concentrando na volatilidade do mercado de petróleo e com as preocupações com os problemas da dívida da Grécia. O primeiro-ministro grego Alexis Tsipras disse na segunda-feira que seu governo está pronto para implementar o acordo firmado com os credores da zona do euro em fevereiro, mas não fará incondicionalmente a qualquer custo, informou a Reuters. A Grécia enviou uma lista de reformas sexta-feira, mas um funcionário da zona euro disse que a lista era mais uma coletânea de idéias do que algo que poderia ser apresentado ao Eurogrupo.

Tsipras disse que apresentou aos credores uma lista de reformas "reais" que tornarão a Grécia um país "moderno", e citou a luta contra o contrabando de cigarros e de gasolina, e o combate à fraude fiscal, assinalando que também é necessário renegociar a dívida do país, em torno de 177% do PIB. O primeiro-ministro destacou que sem um novo pacto "o reembolso será impossível". A lista de reformas proposta por Atenas para receber a última parcela, de 7,2 bilhões de euros, inclui um aumento de impostos sobre os salários mais altos e medidas contra a evasão fiscal, além de privatizações, mas mantendo uma participação do setor público nas empresas afetadas.

O índice Stoxx Europe recua 0,20%, mas a caminho de um salto de 16,8% no trimestre, o que marcaria seu melhor ganho trimestral desde o rali de 17,8% registrada no terceiro trimestre de 2009. Entre os destaques, o índice alemão DAX 30 também fica de olho em seu melhor trimestre desde 2003.

A França informou que os gastos do consumidor em fevereiro subiu 0,1% no mês e 3% no ano, em linha com as previsões dos economistas consultados pela The Wall Street Journal.

A economia do Reino Unido cresceu a um ritmo mais rápido do que o esperado em 2014, o que confere ao país o top performer de crescimento no mundo ocidental no ano passado. O produto interno bruto em 2014 foi revisado para 2,8%, ante 2,6% reportado anteriormente.

As eleições gerais do Reino Unido está se transformando em um pesadelo para os políticos e investidores com a falta de um favorito, tornando mais complicado tomar uma posição, com 7 de maio se aproximando. As pesquisas refletem uma corrida cabeça a cabeça entre o Partido Conservador, que lidera o governo de coalizão dominante em parceria com os liberais democratas e do Partido Trabalhista.  Além de tudo isso, os investidores também têm de se preocupar com a perspectiva de um referendo de 2017, se o Reino Unido deve deixar a União Europeia.

Em Londres, bancos, empresas de petróleo e  mineradoras recuam.  Entre as gigantes, BHP Billiton cai 1,39%, Anglo American perde 2,12% e Rio Tinto recua 0,41%.

AGENDA ECONÔMICA:
EUA:
10h00 - S&P/CS Composite-20 HPI (examina as mudanças no valor (preço de venda) do mercado imobiliário em 20 regiões nos EUA no ano anterior. Este relatório ajuda a analisar a força do mercado imobiliário dos EUA, o que contribui para a análise da economia como um todo);
10h45 - Chicago PMI de fevereiro (mede o nível de atividade industrial na região);
11h00 - CB Consumer Confidence (mede o nível de confiança dos consumidores na atividade econômica. É um indicador importante, pois pode prever os gastos do consumidor, que é uma parte importante da atividade econômica);

ÍNDICES MUNDIAIS - 7h30):

ÁSIA
Nikkei: -1,65%
Austrália: +0,78%
Hong Kong: +0,18%
Shanghai Composite: -0,99%

EUROPA
Frankfurt - Dax: -061%
London - FTSE: -0,92%
Paris CAC -0,22%
IBEX 35: -0,13%
FTSE MIB: -0,11%

COMMODITIES
BRENT: -2,32%
WTI: -2,50%
OURO: -0,34%
COBRE: -1,36%
NIQUEL: -2,07%
SOJA: -0,37%
ALGODÃO: -0,19%

ÍNDICES FUTUROS
DOW: -0,50%
SP500: -0,55%
NASDAQ: -0,49%

Observação: Este material é um trabalho voluntário e gratuíto, resultado da compilação de dados divulgados em diversos sites da internet que são aqui resumidos de maneira didática para facilitar e agilizar a compreensão do leitor. Atenção para o horário da disponibilização dos dados desse relatório. Você pode acompanhar também no http://br.investing.com/ e no http://haramoto.blogspot.com. Siga também no twitter: http://www.twitter.com/haramototrader

segunda-feira, 30 de março de 2015

RESENHA DA BOLSA - HARAMOTO -  SGUNDA-FEIRA 30/03/2015

ÁSIA: Com exceção da Austrália, os mercados asiáticos recuperaram nesta segunda-feira, como uma liderança modestamente positiva de Wall Street, compensando o impacto dos preços do petróleo.

Shanghai Composite da China subiu 2,62%, registrando uma nova alta de sete anos, estimulados pelos comentários do presidente do Banco Popular da China, Zhou Xiaochuan, no domingo, que a segunda maior economia do mundo deve ser vigilante quanto aos sinais de deflação, mostrando preocupações com a queda na taxa de crescimento da China e que o país tem espaço para responder, indicando possibilidade de novos estímulos e no fim de semana, o presidente chinês, Xi Jinping anunciou detalhes do "One Belt, One Road", que  faz parte da "New Silk Road", plano para aumentar as relações comerciais e econômicas com a Eurásia e África. O plano prevê inclusão de investimentos em ferrovias, estradas, redes de energia, oleodutos e gasodutos, portos e outras instalações; Costrutoras e empresas ferroviárias subiram; China Railway Group disparou 19,62% e China Railway Construction adicionou 18,70%.

Ações do setor de transporte e financeiro também avançaram, China Eastern Airlines subiu 3,7% após anunciar aumento de 44% no lucro em 2014. Preços mais baixos do petróleo também apoiou o setor; China Southern Airlines e Air China avançaram mais de 5%. Dentre os bancos, Banco Industrial e Comercial da China terminou 4,7% maior, enquanto China Construction Bank e Bank of China fecharam com alta de 3,3% cada.

Em Hong Kong,  o índice Hang Seng saltou 1,51%, para uma alta de quatro semanas, após notícia de que o regulador de valores mobiliários da China permitiu que os fundos de investimento do continente comprem diretamente ações de Hong Kong via Hong Kong-Shanghai Stock Connect. Hong Kong Exchanges & Clearing, única operadora de bolsa da cidade,  avançou 11,95%. Cnooc, principal produtor de petróleo e gás da China, subiu 3,6% após um robusto lucro no último trimestre  do ano.

Nikkei do Japão recuperou das perdas iniciais induzidas pela atividade decepcionantes das fábrica, divulgados antes da abertura do mercado e fechou em alta de 0,65%. A produção industrial caiu 3,4% em fevereiro ante o mês anterior, marcando a maior queda desde junho do ano passado, pior que a expectativa de um declínio de 1,8% e dos ganhos de 3,7% em janeiro. O iene enfraqueceu em relação ao dólar a ¥ 119,77, em comparação com ¥ 119,44, no final da sessão anterior.

Entre ganhadores, Fast Retailing , dono da marca de roupas Uniqlo,  subiu 2,7%, enquanto a fabricante de robôs industriais Fanuc avançou 1,1%. A queda do preço do petróleo favoreceu as companhias aéreas; ANA Holdings e Japan Airlines avançaram 1,4 e 0,1%, enquanto empresas ligados com  petróleo tiveram perdas.  JX Holdings , Showa Shell e Inpex registraram quedas entre 2 e 2,8%.

Em direção oposta, S & P ASX 200 da  Austrália caiu 1,25%, com os quatro grandes bancos recuando junto com os stocks de recursos, que foram agredidas depois que o minério de ferro e petróleo recuaram  no fim de semana. O Índice de referência da Austrália registra uma queda de quase 2% no mês, mas ainda está 8% positivo no ano de 2015, após uma boa sequência em janeiro e fevereiro.

O maior produtor de petróleo independente da Austrália Woodside Petroleum caiu 3%, enquanto Origin Energy perdeu 4,4% e Oil Search caiu 5%. Santos despencou 6,8%, após analistas do Credit Suisse dizer que a empresa precisaria levantar capital, se  a baixa do preço do petróleo continuar.

Caltex Australia caiu 9,1% depois que a gigante americana Chevron vendeu sua participação de US $ 4,7 bilhões na sexta-feira à noite.

As ações das mineradoras recuaram depois que o preço à vista do minério de ferro, entregue no porto da China na sexta-feira a noite caiu 4%, para uma nova baixa de seis anos para US $ 53.14 a tonelada, a maior queda desde o final de janeiro, devido a excesso de oferta e uma desaceleração no setor imobiliário da China.

A gigante BHP Billiton perdeu 2,1%, enquanto a principal rival Rio Tinto caiu 1,2%. A produtora exclusiva de minério de ferro Fortescue Metals Group perdeu 3,8% em meio a temores de que o preço do minério de ferro vai cair abaixo de seu preço de equilíbrio, declarado recentemente em US $ 52 a tonelada.

Mineradora de cobre e ouro PanAust contrariou a tendência e disparou mais de 40%, depois que o conselho revelou que estava considerando uma oferta pública de aquisição de $ 1,71 por ação da acionista majoritária estatal chinesa Guangdong Rising Assets Management.

EUROPA: As bolsas europeias avançam na manhã desta segunda-feira, com os investidores de olho nos dados de emprego dos EUA na sexta-feira, numa semana mais curta devido ao feriado de Páscoa. Estrategistas acreditam que se o número de postos de trabalho deve ser mais forte do que o esperado e poderia colocar junho de volta como a primeira opção para elevação da taxa pelo dos EUA, elevando o dólar, mas um número mais fraco pode confirmar as expectativas do mercado para um incremento mais lento das taxas.

Empresas e consumidores em toda a zona do euro estão mais otimistas em março, reflexo da baixa dos preços do petróleo, um euro mais fraco e a esperança de que o novo programa de flexibilização quantitativa do Banco Central Europeu será decisivo para recuperação da área da moeda comum. A Comissão Europeia disse que o Indicador de Sentimento Econômico, subiu para 103,9 em março, ante 102,3 em fevereiro, atingindo o seu nível mais alto desde junho de 2011 e melhor do que a estimativa para 103,1.

Entre as notícias, a Grécia e seus credores internacionais continuaram com as conversas no fim de semana, mas os credores disseram que pode levar mais alguns dias para finalizar um possível acordo, informou a Reuters. A Grécia enviou uma lista de reformas na sexta-feira mas uma pessoa que teve acesso ao documento, disse que a lista era mais uma coleção de idéias do que algo que poderia ser efetivamente apresentado ao Eurogrupo.

No Reino Unido, fazendo campanha para as próximas eleições gerais de maio, a Rainha dissolveu o parlamento a pedido do primeiro-ministro David Cameron. A tradição de dissolver o Parlamento marca o fim oficial do governo de coalizão entre os conservadores e os liberais democratas.

O FTSE 100 sobe e caminha para quebrar uma série de quatro sessões de queda, quando fechou no nível mais baixo em 10 dias na sexta-feira. Entre as mineradoras, Antofagasta sobe 1,19%, BHP Billiton cai 0.17% e Rio Tinto avança 0,87%.

AGENDA ECONÔMICA:
EUA:
9h30 - Core PCE Price Index (renda individual dos cidadãos norte-americanos),  Personal Income (renda individual dos cidadãos norte-americanos) e Personal Spending (gastos dos consumidores);
11h00 - Pending Home Sales de Janeiro (contratos assinados de venda de imóveis usados nos Estados Unidos, porém ainda sem conclusão do negócio);

ÍNDICES MUNDIAIS - 7h40):

ÁSIA
Nikkei: +0,65%
Austrália: -1,25%
Hong Kong: +1,51%
Shanghai Composite: +2,62%

EUROPA
Frankfurt - Dax: +1,47%
London - FTSE: +0,48%
Paris CAC +1,13%
IBEX 35: +0,88%
FTSE MIB: +1,16%

COMMODITIES
BRENT: -1,24%
WTI: -0,95%
OURO: -0,94%
COBRE: +0,63%
NIQUEL: -0,99%
SOJA: +0,50%
ALGODÃO: +0,36%

ÍNDICES FUTUROS
DOW: +0,59%
SP500: +0,56%
NASDAQ: +0,75%

Observação: Este material é um trabalho voluntário e gratuíto, resultado da compilação de dados divulgados em diversos sites da internet que são aqui resumidos de maneira didática para facilitar e agilizar a compreensão do leitor. Atenção para o horário da disponibilização dos dados desse relatório. Você pode acompanhar também no http://br.investing.com/ e no http://haramoto.blogspot.com. Siga também no twitter: http://www.twitter.com/haramototrader

sexta-feira, 27 de março de 2015

RESENHA DA BOLSA - HARAMOTO -  SEXTA-FEIRA 27/03/2015

ÁSIA: As  bolsas asiáticas  fecharam sem direção nesta sexta-feira, com índice de referência do Japão liderando as perdas, devido principalmente realização de lucros e dados econômicos fracos.  Wall Street também pesou sobre o sentimento dos investidores, caindo pela quarta sessão consecutiva, apesar de dados mostrarem que as solicitações de seguro desemprego caiu para uma baixa de cinco semanas. As atenções hoje se volta para o discurso da presidente do Federal Reserve Janet Yellen e para a divulgação do PIB do primeiro trimestre dos EUA.

Presidente do Iêmen deixou a cidade de Aden para a Arábia Saudita na quinta-feira depois que Riyadh e seus aliados começaram os ataques aéreos contra osrebeldes Houthi do Iêmen. Havia preocupação inicial de que o conflito poderia fechar o Estreito de Bab-el-Mandeb, uma rota de navegação de petroleiros localizados entre o Iêmen e Djibuti, no entanto, os temores diminuíram nesta sexta-feira e os preços do petróleo voltaram a cair.

Dados japoneses para o mês de fevereiro também estavam em foco. O índice de preços ao consumidor, que exclui os efeitos de imposto sobre as vendas de abril do ano passado ficou em zero, alimentando por novos temores de deflação, enquanto as vendas no varejo vieram piores do que o esperado e as despesas das famílias registraram uma quebra anual menor do que o esperado.

Índice Nikkei do Japão caiu 0,95%, com analistas atribuindo a queda aos dados da inflação que vieram fracos e realização de lucros antes do fim do trimestre. O índice recuou 1,4% na semana, quebrando uma seqüência de seis semanas de ganhos. Os bancos lideraram as perdas. Mizuho Financial caiu 3,5%. Sumitomo Mitsui Financial e Mitsubishi UFJ perderam mais de 1% cada.

Panasonic saltou mais de 3%, depois de anunciar que espera gastar ¥ 1000000000000 em fusões e aquisições ao longo dos próximos quatro anos.

Índice de ações da China, o Shanghai Composite subiu 0,27% e fechou perto de uma alta de sete anos.  O índice subiu pela terceira semana consecutiva e saltou quase 14% desde o início de março. Lideraram os ganhos; China Merchants Property que terminou 7,6% maior, enquanto Shanghai Shimao subiu mais de 5%, devido relatos de medidas de apoio político. As gigantes de petróleo PetroChina e Sinopec recuaram 2 e 1%, respectivamente, seguindo a baixa dos preços do petróleo.

Referência de Hong Kong, o Hang Seng Index recuou 0,04%, enquanto subiu 0,5% na semana, somando-se ao aumento de 2,3% na semana anterior.

O S & P ASX 200 australiano se recuperou com uma alta de 0,69%, violando os 5.900 pontos. Os bancos que recuaram fortemente na quinta-feira, subiu com investidores a caça de barganhas. Australia New Zealand Banking subiu mais de 1% e Westpac avançou 0,6%, mas na semana, o desempenho seguiu negativo. CBA fechou a semana com baixa de 2,1%, NAB negociado 1,4% menor, Westpac caiu 1,3%, enquanto ANZ Banking Group fechou estável. Bank of Queensland recuou 7,1% ao longo das cinco sessões após uma atualização de ganhos mal recebida.

Entre as ações de petróleo para a semana, Santos fechou em alta de 2,9%, Woodside caiu 1,8% e Origin subiu 1,0%.

A agitação no Iêmen também impulsionou a demanda por ativos considerados seguros e provocou um rali no ouro. O metal precioso avançou quase 5% em sete sessões consecutivos de ganhos, a maior sequência desde agosto de 2012, ajudado também pela sinalização do Federal Reserve dos Estados Unidos de que não vai elevar os juros em breve. Newcrest ganhou 5,4%.

EUROPA:  As bolsas europeias operam sem direção nesta sexta-feira, mas com o Stoxx Europe 600 avançando 0,64%, auxiliado por altas de ações relacionadas com cuidados à saúde, tecnologia e de bens de consumo. O Stoxx 600 caminha para uma queda de 2% na semana, o que seria a sua primeira queda semanal após sete semanas de ganhos. A última série de oito vitórias semanais terminou em junho de 2014.

O FTSE 100 do Reino Unido  recua, com perdas entre ações de mineração e energia. Enquanto isso, a libra sofre valorização frente ao dólar, depois que o Presidente do Bank of England, Mark Carney, reiterou sua opinião sobre o próximo movimento das taxas de juro no Reino Unido.

Ações de mineradoras como Randgold Resources  e Anglo American recuam 3,00% e 3,95%, respectivamente. A mineradora de cobre Antofagasta cai 1,52%, após suspender as operações em três minas por causa de fortes chuvas no deserto de Atacama, no norte do Chile. Entre as gigantes, BHP Billiton e Rio Tinto recuam 2,20% cada.  A petrolífera BP perde 0,45%.

Athex Composite  da Grécia  sobe 1,21%. O governo grego está trabalhando para apresentar uma lista abrangente de reformas econômicas para enviar a seus credores até segunda-feira,  visando assegurar mais financiamento para o país.

AGENDA ECONÔMICA:
EUA:
9h30 - Final GDP  (PIB);
9h30 - Final GDP Price Index (Índice de Preços do PIB);
11h00 - Revised UoM Consumer Sentiment (mede a confiança dos consumidores na economia norte-americana);
11h00 - Michigan Inflation Expectations (mede a porcentagem que os consumidores esperam do preço dos bens e serviços nos próximos 12 meses);
16h45 - Discurso da Presidente do FED Janet Yellen:

ÍNDICES MUNDIAIS 8h10):

ÁSIA
Nikkei: -0,95%
Austrália: +0,69%
Hong Kong: -0,04%
Shanghai Composite: +0,27%

EUROPA
Frankfurt - Dax: +0,56%
London - FTSE: -0,27%
Paris CAC +0,61%
IBEX 35: +0,06%
FTSE MIB: -0,11%

COMMODITIES
BRENT: -0,68%
WTI: -1,29%
OURO: -0,55%
COBRE: -0,63%
NIQUEL: -1,36%
SOJA: -0,31%
ALGODÃO: -0,06%

ÍNDICES FUTUROS
DOW: -0,11%
SP500: -0,09%
NASDAQ: -0,08%

Observação: Este material é um trabalho voluntário e gratuíto, resultado da compilação de dados divulgados em diversos sites da internet que são aqui resumidos de maneira didática para facilitar e agilizar a compreensão do leitor. Atenção para o horário da disponibilização dos dados desse relatório. Você pode acompanhar também no http://br.investing.com/ e no http://haramoto.blogspot.com. Siga também no twitter: http://www.twitter.com/haramototrader

quinta-feira, 26 de março de 2015

RESENHA DA BOLSA - HARAMOTO - QUINTA-FEIRA 26/03/2015

ÁSIA: A maioria das bolsas asiáticas recuou nesta quinta-feira depois de um forte "sell off" em Wall Street  e aumento da escalada de manifestação política no Iêmen, impulsionando os preços do petróleo. A Arábia Saudita anunciou o início das operações militares no Iêmen, envolvendo 10 países, incluindo nações do Golfo e é destinado à combater militantes Houthi que querem derrubar o governo. O presidente do Iêmen, Abed Rabbo Mansour Had supostamente fugiu do país com a aproximação dos militantes.

As ações de tecnologia, biotecnologia e semicondutores lideraram as perdas de mais de 2% no Nasdaq Composite no pregão de quarta-feira, com analistas citando temores de lucros menores devido ao recente fortalecimento do dólar.

O Nikkey, índice de referência do Japão, caiu 1,39% para uma baixa de nove dias, com o iene avançando contra o dólar, sendo negociado a ¥ 118,57, em comparação com ¥ 119,65 no dia anterior em Tokyo. Ações de semicondutores lideraram as perdas, acompanhando a queda de seus pares americanos: SUMCO e Tokyo Electron caíram mais de 5% cada, enquanto outras ações de tecnologia também sofreram. Fujitsu e Sony recuaram 3% cada.

Na China, o Shanghai Composite contrariou o desempenho na Ásia e subiu 0,59%, puxado por ações de energia. Entre as empresas que divulgaram seus balanços trimestrais, Bank of China adicionou 0,2%, mesmo depois que o lucro líquido no quarto trimestre cresceu num ritmo mais lento em seis anos. Aluminum Corporation of China (Chalco) avançou mais de 1%, apesar de relatar perdas em 2014.

Em Hong Kong, o Hang Seng Index caiu 0,13%, enquanto o Hang Seng China Enterprises recuou 0,41%.

S & P ASX 200 da Austrália recuou 1,58%, sofrendo a maior queda diária desde dezembro e se afastou da marca dos 6000 pontos. Os quatro maiores bancos recuaram; Australia New Zealand Banking , National Australia Bank, Westpac e Commonwealth Bank of Australia recuaram mais de 2% cada. Bank of Queensland fechou 3,3% menor, apesar de publicar no primeiro semestre,  lucros de A 167000000 dólares.

Apenas 29 das 200 ações conseguiram terminar a sessão com alta. Empresas de energia avançaram. Santos, Woodside, e Oil Search subiram, na sequência da alta dos preços do petróleo..

Fortescue adicionou 3,9% com a alta nos preços do minério de ferro, mas  BHP caiu 1,1%.

EUROPA:  As bolsas europeias registram baixas na manhã desta quinta-feira, com   investidores aversos aos riscos, tentando fugir dos mercados de ações ao redor do mundo, mas papeis de empresas de energia conseguem postar ganhos, após ataques aéreos no Iêmen fazer  os preços do petróleo avançar.

O Stoxx Europe 600 cai 1,59%, a caminho de sua maior perda desde meados de janeiro. Destaque para ações de energia, sustentadas por um aumento de 5% nos preços do petróleo, depois de relatos de ataques aéreos saudita no Iêmen estimulando preocupações com possíveis interrupções de fornecimento de petróleo. No topo do Stoxx 600, a empresa de perfuração de poços Seadrill sobe 3,48%, o prestador de serviços para campos petrolíferos Petrofac avança 2,43% e empresa de petróleo portuguesa Galp Energia sobe 2,07%.

Mas no geral, "os mercados europeus estão caindo, devido as pesadas vendas ocorridas ontem, mas bolsas dos EUA". Analistas acreditam que os investidores estão encontrando dificuldades para avaliar a saúde da economia dos EUA, uma vez que a recente série de dados econômicos tem sido muito decepcionante, além de preocupações com a fragilidade das próximas temporadas de balanços das empresas também contribuíram para a queda em Wall Street . A maioria das bolsas asiáticas fecharam com perdas.

O FTSE 100 do Reino Unido cai e segue em direção da uma terceira sessão de perdas. As ações da London Stock Exchange Grupo despencam 9,30% depois que o maior acionista da empresa, Borse Dubai, vendeu toda a sua participação de 17,4% no operador de câmbio.

Somente os setores de energia avançam. Produtor de petróleo BG Group sobe 0,78% e BP avança 0,90%. Entre as mineradoras, BHP Billiton cai 0,76%, Rio Tinto e Glencore recuam 0,07% cada.

A queda do avião A320 Germanwings permanece no centro das atenções, com investigadores tentando determinar as causas do acidente na terça-feira quando 150 pessoas morreram. O New York Times noticiou na quinta-feira que um investigador disse que em uma gravador de voz, indica que um piloto deixou a cabine antes da descida do avião e foi incapaz de retornar à cabine .

A Grécia também continua nas manchetes. Na quarta-feira, a Grécia falhou na tentativa de garantir um extra em dinheiro junto aos credores da zona do euro para ajudar a evitar potencial default no próximo mês, aumentando a pressão sobre Atenas para entregar um programa de reforma convincente dentro de dias. Atenas apelou ao Fundo Europeu de Estabilidade Financeira para emprestar 1200000000 € (1,32 bilhões dólares).

AGENDA ECONÔMICA:
EUA:
9h30 - Unemployment Claims (número de pedidos de auxílio-desemprego);
10h00 - Discurso do presidente do Fed de Atlanta, Dennis Lockhart;
10h30 - Flash Services PMI (nível de atividade econômica no setor de serviços),

ÍNDICES MUNDIAIS 7h30):

ÁSIA
Nikkei: -1,39%
Austrália: -1,58%
Hong Kong: -0,13%
Shanghai Composite: +0,59%

EUROPA
Frankfurt - Dax: -1,39%
London - FTSE: -1,03%
Paris CAC -1,26%
IBEX 35: -0,67%
FTSE MIB: -1,42%

COMMODITIES
BRENT: +4,25%
WTI: +4,96%
OURO: +1,19%
COBRE: +1,63%
NIQUEL: +0,72%
SOJA: -0,06%
ALGODÃO: +0,06%

ÍNDICES FUTUROS
DOW: -0,77%
SP500: -0,71%
NASDAQ: -1,08%

Observação: Este material é um trabalho voluntário e gratuíto, resultado da compilação de dados divulgados em diversos sites da internet que são aqui resumidos de maneira didática para facilitar e agilizar a compreensão do leitor. Atenção para o horário da disponibilização dos dados desse relatório. Você pode acompanhar também no http://br.investing.com/ e no http://haramoto.blogspot.com. Siga também no twitter: http://www.twitter.com/haramototrader

quarta-feira, 25 de março de 2015

RESENHA DA BOLSA - HARAMOTO - QUARTA-FEIRA 25/03/2015

ÁSIA: A maioria dos principais mercados da Ásia avançou nesta quarta-feira, apesar da queda em Wall Street e preocupações com o crescimento da China pesando sobre o sentimento do investidor regional.

Na China, o Shanghai Composite caiu 0,79%, quebrando uma série de dez sessões de alta, com o setor bancário pesando sobre o benchmark. Banco Agrícola da China recuou 2,1%, revertendo um ganho de 0,3%, após um inesperado declínio nos lucros. Outros pesos pesados do setor, como Bank of China e China Construction Bank recuaram mais de 2%, enquanto Banco Industrial e China Everbright Bank perderam 3,3%. Huaneng Power International perdeu quase 3% em Xangai, após o maior produtor de energia do país registrar seu menor lucro anual em três anos.

Em Hong Kong, o Hang Seng subiu 0,57%. Hutchison Whampoa, empresa imobiliária de Li Ka-shing subiu 2%, depois de adquirir a O2, unidade celular britânica da Telefonica. BOC Hong Kong, filial do Bank of China em Hong Kong relatou um aumento de 10% no lucro líquido em 2014, ajudado por um aumento na receita líquida de  24.580 milhões de dólares de Hong Kong (US $ 3,2 bilhões). O banco, que é 66% de propriedade do Bank of China, disse receita líquida de juros aumentou 14%, graças ao crescimento dos ativos que rendem juros e margem líquida de juros e propôs um dividendo final de HK 0,575 dólares por ação.

Nikkei do Japão subiu 0,17%, próximo da alta de 15 anos, em 19,754 pontos atingido na segunda-feira, aesar do dólar recuar 0,11% em relação ao iene, comprado a ¥ 119,65, em comparação com ¥ 119,55 na terça-feira. A realização de lucros pesou sobre as ações da Eisai que recuaram 5,4%, depois de ter subido quase 30% nas últimas dois sessões, apoiada na esperança de que sua droga pode tratar a doença de Alzheimer.

NTT Docomo caiu mais de 1% após o Banco Central da Índia descartou a proposta da Tata Sons de pagar um preço mais elevado do que ovalor justo "para comprar a participação na gigante das telecomunicações japonesa em sua joint venture.

S & P ASX 200 da Austrália chegou a atingir 5988 pontos no pregão da manhã, antes de recuar para terminar com apenas 0,07% de alta em 5.973,3 pontos, com os quatro maiores bancos do país oferecendo suporte após o banco central expressar confiança nos padrões de empréstimo à habitação. ANZ Banking Group e Westpac Banco fecharam em suas máximas históricas.

O  preço à vista do minério de ferro subiu 2% durante a noite. As produtoras de minério de ferro  Arrium subiu 2,3%, BC Iron avançou 2,4%, devido seus esforços de redução de custos, após a assinatura de um novo contrato de mineração de sua joint venture Nullagine na Austrália Ocidental. Entre as grandes mineradoras, BHP caiu 0,3% e Rio Tinto perdeu 0,9%.

O declínio no setor de energia também limitou os avanços do índice. Search Oil e Santos caíram 1 e 0,7%

EUROPA:   As principais bolsas europeias abriram em baixa, mas recupera parte das perdas depois que a pesquisa IFO de confiança do investidor alemão subiu pelo quinto mês consecutivo para 107,9 em março, atingindo o seu nível mais alto desde julho de 2014, melhor que a expectativa de 107,4 de uma pesquisa dos economistas do The Wall Street Journal e 106,8 em fevereiro, indicando uma recuperação da economia da zona do euro, seguindo o PMI Index positivas para a zona euro, divulgado na terça-feira, impulsionada pelos preços mais baixos do petróleo e um euro mais fraco.

O Stoxx Europe 600 SXXP cai 0,28%, pesada por ações de tecnologia, energia e empresas de serviços públicos.

Stocks de companhia aérea segue em foco, depois que um avião Airbus A320, operado pela Germanwings, subsidiária da Lufthansa, caiu nos alpes franceses na terça-feira, matando todas as 150 pessoas a bordo. Ações da Lufthansa caem 1%, enquanto as da Airbus recuam 0,8%. Uma das caixas-pretas do vôo 4U 9525 foi encontrado e ministro do Interior da França disse que seriam examinados imediatamente.

Entre outras notícias, a Grécia corre o risco de ficar sem dinheiro até 20 de Abril, a menos que o novo auxílio seja liberado, segundo uma fonte familiarizada com o assunto disse à Reuters na terça-feira.

No Reino Unido, o FTSE 100 sobe ligeiramente, na tentativa de ultrapassar seu recorde anterior de  7,037.67 pontos, ajudada por ganhos por ações relacionadas com bens de consumo e mineração, incluindo um ganho de 0,8% para a Rio Tinto e 0,50% para a Anglo American, mas BHP Billiton num movimento de realização de lucro, depois de várias altas recentes. As ações do Barclays caem 1.12%, após rebaixamento da Investec de comprar para segurar.


AGENDA ECONÔMICA:
EUA:
9h30 - Durable Goods Orders e Core Durable Goods Orders (números mensais de pedidos de bens duráveis para a indústria nos Estados Unidos, além de destacar o indicador se excluídos as encomendas no setor de transportes);
11h30 - Crude Oil Inventories (estoques de Petróleo norte-americano);

ÍNDICES MUNDIAIS 7h10):

ÁSIA
Nikkei: +0,17%
Austrália: +0,07%
Hong Kong: +0,53%
Shanghai Composite: -0,79%

EUROPA
Frankfurt - Dax: -0,19%
London - FTSE: +0,06%
Paris CAC -0,48%
IBEX 35: -0,21%
FTSE MIB: -0,21%

COMMODITIES
BRENT: +0,18%
WTI: -0,13%
OURO: -0,06%
COBRE: -0,43%
NIQUEL: -1,11%
SOJA: -0,03%
ALGODÃO: -0,20%

ÍNDICES FUTUROS
DOW: +0,07%
SP500: +0,13%
NASDAQ: +0,19%

Observação: Este material é um trabalho voluntário e gratuíto, resultado da compilação de dados divulgados em diversos sites da internet que são aqui resumidos de maneira didática para facilitar e agilizar a compreensão do leitor. Atenção para o horário da disponibilização dos dados desse relatório. Você pode acompanhar também no http://br.investing.com/ e no http://haramoto.blogspot.com. Siga também no twitter: http://www.twitter.com/haramototrader

terça-feira, 24 de março de 2015

RESENHA DA BOLSA - HARAMOTO - TERÇA-FEIRA 24/03/2015

ÁSIA: As bolsas asiáticas sofreram com o impacto negativo dos dados mais fraco do que o esperado do PMI flash de manufatura da China, divulgado pelo HSBC. O levantamento preliminar das fábricas para março surpreendentemente caiu para 49,2, marcando uma baixa de 11 meses e aumentando as preocupações sobre a dinâmica do crescimento da China. No mês passado, o PMI final do HSBC subiu para 50,7, para o maior nível desde julho,  enquanto o levantamento oficial do país permaneceu a um triz do nível de 50 pontos, que separa crescimento de contração, fechando o mês a 49,9.

O peso de Wall Street também amorteceu o sentimento, com os investidores de olho nos relatórios econômicos, em meio as oscilações do dólar. O Dow Jones Industrial Average e S & P 500 fecharam em queda de 0,1 e 0,2%, logo abaixo das máximas históricas, enquanto o Nasdaq caiu 0,3%, mas manteve acima da marca de 5.000 pontos.

Depois de recuar mais de 1% na sessão da manhã devido a uma leitura PMI flash mais baixo do que o esperado, o China Shanghai Composite fechou com um modesto ganho, estendendo sua série de altas para a décima consecutiva. Blue-chips do setor imobiliário como China Merchants Property e Poly Real Estate lideraram as quedas com uma baixa de mais de 3%. Corretoras como Haitong Securities e Founder Securities recuaram mais de 2%, enquanto a maior corretora do país Citic Securities despencou 2,6%, apesar de anunciar um lucro maior no no ano passado.

Anhui Conch Cement anunciou um aumento de 17,2% no lucro líquido em 2014 e suas ações caíram 2,7%, enquanto o índice de referência de Hong Kong, Hang Seng Index caiu 0,39% e o Hang Seng China Enterprises, que mede o desempenho de empresas do continente na ilha, recuou 1,42%.

Nikkei do Japão caiu 0,12%,  interrompendo uma série de dois dias de alta, se afastando da máxima de 15 anos, com o iene se fortalecendo contra o dólar a ¥ 119,55, em comparação com ¥ 120,14 na segunda-feira em Tóquio, prejudicando o desempenho dos exportadores.

Entre os principais perdedores, a fabricante de baterias GS Yuasa caiu 3,1% depois de reduzir sua previsão de lucro, enquanto o laboratório farmacêutico Eisai subiu 9,4%, após disparada de 20% na sessão anterior, na esperança de que o seu fármaco podem tratar a doença de Alzheimer.

Apesar do fraqueza do índice chinês, o S & P ASX 200 da Austrália conseguiu  avançar, com a estabilização dos preços das commodities durante a noite, dando apoio ao benchmark, mas ainda abaixo dos 6.000 pontos.

Entre as mineradoras, BHP Billiton e Rio Tinto novamente fecharam em direções opostas. BHP subiu 0,7%,  Fortescue Metals subiu 1,5%, enquanto Rio caiu 1,4%.  O minério de ferro, para entrega imediata para o porto de Qingdao, continuou a cair, chegando a US $ 54.82.

A produtora de carvão Whitehaven Coal saltou 2,4%, com o Morgan Stanley elevando o preço-alvo para A $ 1.88. A alta nos preços do ouro favoreceram produtores de ouro; Newcrest Mining e Evolução Mining subiram 2,6 e 3,1% cada.

Woodside Petroleum foi um dos underperformers, recuando 0,3 %, após a notícia de que está demitindo 300 trabalhadores, enquanto a companhia aérea Qantas caiu 1,6% depois autoridades do país negou autorização prévia para interagir os serviços com a China Eastern Airlines.

EUROPA:  As bolsas europeias abriram em baixa nesta terça-feira, impactados pelos dados fracos da China e com as negociações entre a Grécia e a Alemanha, mas avança depois da divulgação de dados da Europa.

O PMI mostra recuperação da zona do euro ganhando impulso, com a Alemanha liderando um aumento na atividade do setor privado para quase quatro anos de alta. A pesquisa mostrou que a economia da zona euro está finalmente emergindo depois de um longo período de quase estagnação, ajudados por preços mais baixos do petróleo, um enfraquecimento do euro e melhora na confiança após o lançamento do novo programa de estímulo do Banco Central Europeu.

O PMI composto da Markit, que examina mais de 5.000 empresas em todo a zona do euro, que engloba atividades nos setores manufatureiro e de serviços, subiu para uma alta de 46 meses, para 54,1 em março, ante 53,3 em fevereiro. Uma leitura abaixo de 50,0 indica a atividade está em declínio, enquanto uma leitura acima desse nível indica que está a aumentar.

O Stoxx Europe 600 avança 0,37%, após iníciar a sessão no vermelho. O valor de referência pan europeu caiu 0,9%  na segunda-feira, fazendo uma pausa depois de atingir um recorde de alta na semana passada. O euro sobe 0,39%, sendo negociado a 1,0981 dólares, após dados mostrarem que a atividade do setor privado na Alemanha, a maior economia da Europa, atingiu uma alta de quatro anos em março. Na segunda-feira, a moeda comum foi negociado a 1,0947 dólar.

No Reino Unido, primeiro-ministro David Cameron disse à BBC que não vai se lançar candidato a um terceiro mandato ao cargo, se os conservadores permanecem no governo após as eleições gerais.  O FTSE 100 caminha para marcar um novo recorde de alta, ajudada por ganhos de tecnologia, bens de consumo e serviços.

A construtora Persimmon sobe 1,37% e British Airways avança 1,86% e figuram entre os melhores desempenhos. Entre as quedas, Centrica recua 1,62%, após o Deutsche Bank rebaixar a empresa controladora da British Gas, citando riscos da eleição geral do Reino Unido em maio. Entre as mineradoras, BHP Billiton sobe 0,53%, Anglo American sobe 0,90%, Glencore cai 0,67% e Rio Tinto perde 0,12%.

AGENDA ECONÔMICA:
EUA:
9h30 - CPI (Consumer Price Index) (índice de preços ao consumidor considerando uma cesta fixa de bens e serviços) e o Core CPI (mede os preços ao consumidor, considerando a mesma cesta com exceção dos custos relativos à alimentação e energia);
10h00 - S&P/CS Composite-20 HPI (examina as mudanças no valor (preço de venda) do mercado imobiliário em 20 regiões nos EUA no ano anterior. Este relatório ajuda a analisar a força do mercado imobiliário dos EUA, o que contribui para a análise da economia como um todo);
10h45 - Flash Manufacturing PMI (estimativa referente ao nível de atividade industrial nos Estados Unidos)
11h00 - New Home Sales de julho (número de casas novas com compromisso de venda).
11h00 - Richmond Manufacturing Index (consiste numa pesquisa com cerca de 100 fabricantes, determinando a saúde econômica do setor manufatureiro no distrito de Richmond. Qualquer leitura acima de 0 indica melhoria das condições do setor, enquanto uma leitura abaixo de 0 indica agravamento das condições).

ÍNDICES MUNDIAIS 7h20):

ÁSIA
Nikkei: -0,21%
Austrália: 0,22%
Hong Kong: -0,39%
Shanghai Composite: +0,11%

EUROPA
Frankfurt - Dax: +0,54%
London - FTSE: +0,37%
Paris CAC +0,70%
IBEX 35: +0,59%
FTSE MIB: +0,85%

COMMODITIES
BRENT: +1,61%
WTI: +1,35%
OURO: 0,17%
COBRE: -0,33%
NIQUEL: -1,14%
SOJA: -0,43%
ALGODÃO: +0,30%

ÍNDICES FUTUROS
DOW: +0,33%
SP500: +0,28%
NASDAQ: +0,29%

Observação: Este material é um trabalho voluntário e gratuíto, resultado da compilação de dados divulgados em diversos sites da internet que são aqui resumidos de maneira didática para facilitar e agilizar a compreensão do leitor. Atenção para o horário da disponibilização dos dados desse relatório. Você pode acompanhar também no http://br.investing.com/ e no http://haramoto.blogspot.com. Siga também no twitter: http://www.twitter.com/haramototrader

segunda-feira, 23 de março de 2015

RESENHA DA BOLSA - HARAMOTO - SEGUNDA-FEIRA 23/03/2015

ÁSIA: Os mercados de Tóquio e Xangai lideraram os ganhos na região, renovando novas máximas nesta segunda-feira, depois da força em Wall Street na sexta-feira passada.

Lee Kuan Yew, o ex-primeiro-ministro e fundador de Cingapura, faleceu aos 91 anos no domingo, de acordo com um comunicado oficial. O Straits Times fechou com ligeira alta de 0,04%, enquanto o dólar de Singapura foi negociado a 1,3762 por dólar.

Nikkei do Japão terminou em alta de 0,99%, segunda alta consecutiva e nova máxima de 15 anos, seguindo euforia em Wall Street impactando no iene, que caiu contra o dólar, sendo negociado a ¥ 120,14, em comparação com ¥ 120,03 na sexta-feira em Nova York, favorecendo exportadores. Suzuki Motor e Nintendo saltaram 4,5 e 3,6%, enquanto Toyota Motor subiu 1,7%. Destaque de alta para a farmacêutica Eisai, que disparou 20% após uma corretora elevar o stock devido eficácia de seu medicamento para tratar a doença de Alzheimer.

Em seu nono dia consecutivo de ganhos, Shanghai Composite  da China subiu 1,95%, seu nível mais alto desde maio de 2008. Setor imobiliário estava entre os maiores contribuintes para a alta. China Merchants Property avançou 4,1%. Gemdale, Poly Real Estate e Shanghai Shimao subiram quase 3% cada, na esperança de uma possível política de flexibilização para o setor. Setor de infraestrutura também subiu. China Railway Group e China Railway Construction avançaram até o limite diário máximo de 10%, com a notícia de que Pequim irá lançar em breve  detalhes da "Belt and Road" que buscará ligar a China com a Europa.

Orient Securities disparou 44% em sua estréia em Shanghai depois de levantar 10 bilhões de yuans.

En Hong Kong, o  Hang Seng índice subiu 0,49%, seguindo o rali em Xangai, enquanto lucros das empresas permanecem em foco. Financeiras, tais como Standard Chartered e setor imobiliário como China Overseas Land Investment Limited lideraram os ganhos com alta de mais de 3%.  Sinopec, maior refinaria da Ásia fechou  com queda de 2,1% depois de postar seu primeiro prejuízo trimestral desde a abertura de capital.

S & P ASX 200 da Austrália fechou em queda de 0,32%, próximo da marca fundamental dos 6.000 pontos, marca que não tem sido alcançado desde fevereiro de 2008. O setor bancário pesou sobre o benchmark. Commonwealth Bank of Australia caiu 0,8% e Westpac recuou 0,4% e National Australia Bank perdeu 0,5%.

O minério de ferro, para entrega imediata para o porto de Qingdao, na China, caiu mais de 5% na semana passada para US $ 54.66 a tonelada, mas nesta segunda-feira as grandes mineradoras fecharam em direções opostas. BHP Billiton adicionou 1,1%, Rio Tinto perdeu 0,6% e Fortescue Metals caiu 1%.

EUROPA:  As bolsas europeias recuam na manhã desta segunda-feira, com os investidores esperando o encontro entre os líderes da Grécia e da Alemanha. O encontro acontece em um momento de crescentes tensões e discussões acaloradas entre a Grécia e os credores, além de seus vizinhos da zona do euro, em particular a Alemanha, mas antes da reunião, Tsipras disse que seria "impossível" para a Grécia pagar sua dívida nas próximas semanas, sem ajuda financeira de curto prazo da UE, segundo relatou o Financial Times

Em uma reunião entre os líderes da União Europeia na sexta-feira, Tsipras tinha assegurado aos credores da UE, que sua coalizão de esquerda, apresentaria em breve, um conjunto completo de reformas econômicas, com intuito de desbloquear o dinheiro para evitar o "default",

O pan europeu Stoxx  Euro 600 Index recua 0,92%, pesada pelo setor de energia, com o preços do petróleo continuando a cair, depois que o ministro do petróleo da Arábia Saudita, disse no domingo que a Opep não assumirá a responsabilidade exclusiva para sustentar os preços do petróleo, informou a Reuters. Apenas o setor financeiro avança. Standard Chartered sobe 3,92% em Londres, depois que o Citigroup elevou seu preço alvo para £ 13,00, enquanto  Deutsche Bank adiciona 1,59% em Frankfurt, após uma reportagem da Reuters no fim de semana publicar que uma revisão das operações realizada pelo credor alemão pode resultar em um "spin off" de suas operações de varejo.

Na sexta-feira, o Stoxx 600 saltou 0,9% e se aproximou o seu ponto mais alto de 405,50 pontos. Os analistas tem creditado ao impacto do programa de compra de ativos do Banco Central Europeu.

Entre outras notícias, segundo a Reuters, o partido conservador UMP do ex-presidente Nicolas Sarkozy e seus aliados venceram o primeiro turno das eleições municipais francesas no domingo, batendo o partido de extrema-direita da Frente Nacional (FN) de Marine Le Pen e na Espanha, o Partido Socialista venceu uma eleição regional na Andaluzia, no domingo, com o Partido Popular (PP) em segundo e esquerdistas tomando o terceiro lugar.

Em Londres,  o FTSE 100 recua, depois de ultrapassar a marca dos 7.000 pontos na sexta-feira. Produtores de energia e commodities metálicas sofrem com a queda nos preços de suas respectivas commodities. As ações da produtora de petróleo  BP cai 1,27% e BG Group recua 0,86%, enquanto a mineradora Anglo American cai 1,04%, Rio Tinto recua ligeiros 0,02%, mas BHP Billiton avança 0,52%.

AGENDA ECONÔMICA:
EUA:
11h00 - Existing Home Sales (mede as vendas de casas usadas no país);
13h20 -  Discurso do membro do FOMC e Presidente do FED de Dallas, Richard Fisher;
20h15 - Discurso do membro do FOMC e Presidente do FED de San Franciso, John Williams;

ÍNDICES MUNDIAIS 7h40):

ÁSIA
Nikkei: +0,99%
Austrália: -0,32%
Hong Kong: +0,49%
Shanghai Composite: +1,95%

EUROPA
Frankfurt - Dax: -1,38%
London - FTSE: -0,40%
Paris CAC -0,82%
IBEX 35: -0,14%
FTSE MIB: -0,30%

COMMODITIES
BRENT: -0,90%
WTI: -1,70%
OURO: -0,07%
COBRE: +0,65%
NIQUEL: +1,11%
SOJA: +0,50%
ALGODÃO: +0,81%

ÍNDICES FUTUROS
DOW: -0,19%
SP500: -0,20%
NASDAQ: -0,03%

Observação: Este material é um trabalho voluntário e gratuíto, resultado da compilação de dados divulgados em diversos sites da internet que são aqui resumidos de maneira didática para facilitar e agilizar a compreensão do leitor. Atenção para o horário da disponibilização dos dados desse relatório. Você pode acompanhar também no http://br.investing.com/ e no http://haramoto.blogspot.com. Siga também no twitter: http://www.twitter.com/haramototrader

sexta-feira, 20 de março de 2015

RESENHA DA BOLSA - HARAMOTO - SEXTA-FEIRA 20/03/2015

ÁSIA:   Depois de uma manhã morna, as bolsas asiáticas avançaram estna sexta-feira, com mercados de Tóquio, Xangai e Sydney terminando a semana com novas máximas, enquanto as bolsas dos EUA perderam fôlego em meio a um dólar mais forte.

O Shanghai Composite da China subiu 0,98%, marcando seu primeiro fechamento acima do nível de 3600, desde maio de 2008, com setor financeiro liderando os ganhos. Banco Agrícola da China subiu 2%, enquanto corretoras como Citic Securities e Haitong Securities saltaram 9 e 5,9%, respectivamente. As ações da segunda maior seguradora do país, Ping An Insurance, subiram 3,5% em Xangai e 4,1% em Hong Kong, depois de relatar um aumento de 39,5% no lucro do ano passado.

O Hang Seng de Hong Kong caiu 0,38%, com os investidores digerindo uma série de balanços corporativos. Li & Fung despencou 7,4% depois de uma queda de 11,8% no lucro em 2014, enquanto China Mobile perdeu quase 2%, após o lucro líquido do ano passado cair mais de 10%, a maior queda anual em mais de uma década e Swire Properties recuou 2,3%, apesar de seu lucro aumentar 12,7% em 2014, atingindo 7,15 bilhões dólares de Hong Kong , contra um lucro de HK 6,35 bilhões no ano passado.

No Japão, o  Nikkei subiu 0,43% e terminou a semana em uma nova máxima de 15 anos, em 19.560 pontos, com o iene recuando em relação ao dólar a ¥ 120,90, em comparação com ¥ 120,77 na quinta-feira em Nova York. A varejista online Rakuten subiu 3,6% com a notícia de que está adquirindo a empresa americana de eBook OverDrive por cerca de US $ 410 milhões. Yahoo Japan também subiu 6,3% depois de anunciar um aumento nos dividendos, no entanto, players que foram destaque nas últimas altas, tais como Fanuc e Nintendo cairam 1,6 e 6,6%, devido realização de lucros.

Enquanto isso, a minuta da reunião de política monetária do Bank of Japan  (BoJ) mostrou que os líderes políticos debateram os efeitos de sua política agressiva de compras de ativos no mercado de títulos e mantiveram a sua enorme estímulo da política monetária intacta na terça-feira, como amplamente esperado.

O S & P ASX 200 da Austrália subiu 0,41% para terminar em uma alta de duas e meia semanas, em 5975 pontos. O setor de recursos teve um desempenho misto; Rio Tinto e Fortescue Metals recuperou 0,5%o cada. Empresas relacionados com o petróleo, como  Woodside Petroleum e Santos  recuperaram 1,1 e 2,4%, respectivamente.

Na semana, BHP avançou 3% e Rio Tinto adicionau 2,25%.

EUROPA:  As bolsas europeias avançam no último pregão da semana, caminhando para um ganho semanal, com os investidores reagindo à notícia de ainda mais a política acomodatícia por parte dos bancos centrais mundiais. O Stoxx Europe 600 sobe 0,16%, empurrando em direção a um avanço semanal de 1,1%, o que marcará a sétima semana consecutiva de ganhos.

Entre as notícias, os mercados aguardam o segundo dia da reunião de cúpula da União Europeia (UE) em Bruxelas, que tem entre as pautas, a crise da dívida grega,  o comércio e o conflito na Ucrânia.

Athex Composite da Grécia sobe 2,50%, após o primeiro-ministro Alex Tsipras anunciar uma nova lista de propostas de reforma econômica que será enviado ao colegiado europeu dentro de dias.  O país conseguiu uma extensão de 240 bilhões de euros (256.000 milhões dólares americanos)  num prazo de quatro meses, mas os progressos das reformas necessárias tem sido lenta e Grécia ainda está discutindo com seus credores. Tsipras disse estar otimista após as negociações, mas a líder alemã Merkel insistiu que nenhum dinheiro seria liberado antes de Atenas implementar medidas orçamentais e que a nova lista de propostas precisa ir além das medidas sugeridas anteriormente. Merkel e Tsipras marcaram um encontro em Berlim na segunda-feira.

No Reino Unido, o FTSE 100 sobe na tentativa de fechar a semana com ganho de 3,5%, o que seria a melhor alta semanal em cerca de dois meses. Destaque para a Tullow Oil que sobe 2,94%,  mas ações de mineradoras,  bens de consumo e financeiras limitam os ganhos. Entre as mineradoras, Anglo American cai 0,57%, BHP Billiton  perde 0,81% e Rio Tinto recua 0,19%.

AGENDA ECONÔMICA:
EUA: Não está prevista a divulgação de indicadores econômicos
11h20 - Discurso do Presidente do Fed de Atlanta, Dennis Lockhart;
12h30 - Discurso do membro do FOMC e Presidente do Federal Bank de Chicago, Charles Evans;

ÍNDICES MUNDIAIS (8h10):

ÁSIA
Nikkei: +0,43%
Austrália: +0,41%
Hong Kong: -0,38%
Shanghai Composite: +0,98%

EUROPA
Frankfurt - Dax: +0,86%
London - FTSE: +0,04%
Paris CAC +0,18%
IBEX 35: +0,68%
FTSE MIB: +0,46%

COMMODITIES
BRENT: -1,10%
WTI: -1,40%
OURO: +0,13%
COBRE: +1,25%
NIQUEL: +2,29%
SOJA: +0,50%
ALGODÃO: -0,45%

ÍNDICES FUTUROS
DOW: +0,47%
SP500: +0,31%
NASDAQ: +0,33%

Observação: Este material é um trabalho voluntário e gratuíto, resultado da compilação de dados divulgados em diversos sites da internet que são aqui resumidos de maneira didática para facilitar e agilizar a compreensão do leitor. Atenção para o horário da disponibilização dos dados desse relatório. Você pode acompanhar também no http://br.investing.com/ e no http://haramoto.blogspot.com. Siga também no twitter: http://www.twitter.com/haramototrader

quinta-feira, 19 de março de 2015

RESENHA DA BOLSA - HARAMOTO - QUINTA-FEIRA 19/03/2015

ÁSIA: As bolsas asiáticas, com exceção do Japão fechou em alta nesta quinta-feira, sustentada por uma forte recuperação em Wall Street com um comunicado dovish do Federal Reserve, sugerindo um cronograma menos agressivo para o aumento das taxas de juros.

S & P ASX 200 da Austrália liderou a alta região subindo 1,86%, cravando seu maior ganho em cinco semanas e colocando o ASX 200 de volta próximo dos 6.000 pontos.  Os quatro grandes bancos subiram mais de 2% cada.

Nos mercados de commodities o petróleo bruto recuou depois de postar um grande salto na quarta-feira, enquanto o preço spot do ouro continuou a subir. O preço à vista do minério de ferro caiu 2,6%, para US $ 55.48 a tonelada. As produtoras de ouro Newcrest Mining e Alacer Gold subiram 6,5 e 9%, respectivamente.

Ignorando a queda nos preços do minério de ferro, BHP Billiton subiu 1,3% após a empresa revelar um acordo para levantar até US $ 1 bilhão, o que poderia ser o mais barato financiamento da dívida corporativa no mercado local. O negócio foi divulgado um dia após a terceira maior produtora de minério de ferro do país, Fortescue Metals Group, ser forçado a desfazer dos planos para emitir obrigações de $ US2.5 bilhão ($ 3.3 mil milhões). As ações da Fortescue recuperaram as perdas do dia anterior e avançaram 6,7%, enquanto Rio Tinto subiu 0,1%.

Na Nova Zelândia, dados divulgados mais cedo mostraram que a economia cresceu 0,8% no trimestre entre outubro a dezembro e expandiu 3,5%  na comparação anual, a maior leitura desde setembro de 2007. O índice de ações subiu 0,2%.

Na China, o Shanghai Composite avançou 0,15%, marcando a melhor marca em sete anos, em 3582 pontos após oscilar entre ganhos e perdas. Entre os destaques positivos, CSR e China CNR subiu mais de 3% cada, enquanto as empresas de serviços públicos GD Power Development e Huadian Power International subiram 1,4 e 1,3%, respectivamente. Entre os perdedores, as seguradoras China Life Insurance e Ping An Insurance recuaram mais de 2% cada, enquanto isso, o Hang Seng índice subiu 1%, pelo segundo dia consecutivo, marcando a melhor marca em duas semanas.

As bolsas japonesas contrariaram o rali regional, com o fortalecimento do iene, que fechou ligeiramente acima de 120 em relação ao dólar americano. O Nikkei  caiu 0,35%, pesada por exportadores como Nissan e Honda Motor que recuaram 1,5 e 1%, respectivamente, influenciada pelo fortalecimento da moeda. Financeiras também recuaram.

EUROPA: As bolsas europeias avançam na manhã desta quinta-feira, com os investidores reagindo ao comunicado dovish do Federal Reserve dos EUA, que retirou o termo  "paciente" de sua declaração política e advertiu que aumentará as taxas de juros a um ritmo mais lento, sinalizando que não estava com pressa de fazê-lo.

A presidente do Fed Janet Yellen em coletiva de imprensa após a conclusão da reunião disse: "Só porque removemos a palavra" paciente "não quer dizer que o FED vai ficar impaciente".

Destaque também para a reunião da cúpula da União Europeia (UE) nesta quinta-feira, quando se espera discutir a crise da dívida grega. Antes da reunião começar, a chanceler alemã Angela Merkel disse ao Parlamento alemão que o país heleno  tem um "caminho muito difícil pela frente" e a melhor saída é aderir aos acordos com os credores internacionais, pois "se o euro falhar, a Europa vai falhar também", acabando com as esperanças gregas de uma solução política rápida para a crise econômica do país, enquanto isso, o banco central suíço manteve as taxas de referência inalteradas na quinta-feira de manhã e o franco suíço se fortaleceu.

O índice pan-europeu Euro Stoxx 600 subiu, com as principais bolsas e setores em território positivo. A queda do dólar na quarta-feira a noite ajudou o preço do petróleo e impulsionou os estoques de energia, mas a commodity recua na manhã desta quinta-feira.

Em Londres, o índice de referência FTSE 100 move-se em direção de fechar em alta recorde, seguindo rali da quarta-feira, depois que a coalizão governante do Reino Unido definiu os seus planos de orçamento 2015. O FTSE 100 caminha para fechar acima do seu recorde de 6,961.14, registrado no início deste mês.

Destaque para as ações da mineradora Fresnillo que sobem 4,74% e para a produtora de petróleo Tullow Oil que avança 2,48%. Entre outras empresas de mineração e energia, Antofagasta sobe 2,71%, BHP Billiton adiciona  2,13% e Rio Tinto sobe 1,68%, enquanto BG Group sobe 1,36% e BP adiciona  0,56%.

EUA: Os contratos futuros de ações dos EUA recuam ligeiramente, indicando que os mercados vão tomar um fôlego após rali inspirado  nas declarações do Federal Reserve no dia anterior que enviou os principais índices de referência para o nível mais alto de fechamento desde o início de março.  Destaque para a Apple que debuta como componente do Dow Jones Industrial Average. As ações recuam 0,2% no comércio pré-market.

AGENDA ECONÔMICA:
EUA:
9h30 - Unemployment Claims (número de pedidos de auxílio-desemprego);
9h30 - Current Account (saldo da conta corrente norte-americana);
11h00 - Philly Fed Manufacturing Index (indicador responsável por mensurar a atividade industrial no estado);
11h00 - CB Leading Index (ou Índice de Indicadores Antecedentes, relatório que compreende 10 índices já divulgados no país e que resumem a situação da economia americana e servem como prévia para o desempenho da economia);
10h00 - Discurso do Membro do FOMC, Daniel K. Tarullo;

ÍNDICES MUNDIAIS (7h10):

ÁSIA
Nikkei: -0,35%
Austrália: +1,86%
Hong Kong: +1,45%
Shanghai Composite: +0,15%

EUROPA
Frankfurt - Dax: -0,06%
London - FTSE: +0,14%
Paris CAC -0,01%
IBEX 35: +0,60%
FTSE MIB: +1,11%

COMMODITIES
BRENT: -1,42%
WTI: -2,44%
OURO: -0,08%
COBRE: +1,19%
NIQUEL: +1,44%
SOJA: +0,81%
ALGODÃO: -0,45%

ÍNDICES FUTUROS
DOW: -0,07%
SP500: -0,10%
NASDAQ: -0,01%

BALANÇOS TRIMESTRAIS:
Brasil: IMC Holdings, KROTON, Rodobens, Saraiva Livraria, Trisul, Unicasa

Observação: Este material é um trabalho voluntário e gratuíto, resultado da compilação de dados divulgados em diversos sites da internet que são aqui resumidos de maneira didática para facilitar e agilizar a compreensão do leitor. Atenção para o horário da disponibilização dos dados desse relatório. Você pode acompanhar também no http://br.investing.com/ e no http://haramoto.blogspot.com. Siga também no twitter: http://www.twitter.com/haramototrader

quarta-feira, 18 de março de 2015

RESENHA DA BOLSA - HARAMOTO - QUARTA-FEIRA 18/03/2015

ÁSIA:  Índices de ações do Japão e China estabeleceram novas máximas pela segunda sessão consecutiva nesta quarta-feira, com os investidores aguardando a reunião de dois dias do Federal Open Market Committee's (FOMC), que começou na terça-feira. Todos estão sob tensão e esperam a conferência à imprensa, se o termo "paciente" permanece no texto como indicativo de que as taxas de juros possam subir no curto prazo.

No Japão, o Nikkei subiu 0,55% e renovou a máxima de 15 anos em 19.544 pontos, com a ajuda da Nintendo e DeNA, que subiram até a máxima diária permitido de 21% cada, depois que ambas as empresas anunciaram planos para desenvolver aplicações de jogos em conjunto. Ações relacionadas com a Nintendo também subiram; Mitsumi Electric e Hosiden subiram mais de 10% cada e Banco de Kyoto, que é o segundo maior acionista do gamemaker, também disparou 21%.

As exportações japonesas em fevereiro cresceram 2,4% em relação à janeiro, pelo sexto mês consecutivo.  Economistas esperavam uma queda de 0,6% nas exportações, em grande parte devido ao recuo de 17% nos embarques para a China, impactado pelos feriados do Ano Novo Lunar, enquanto as exportações para os EUA saltaram 14%. As importações caíram 3,6%.

A queda dos preços do petróleo ajudou na redução do défice da balança comercial para Y424.6 bilhões, em comparação com Y806 bilhões em fevereiro do ano anterior e um déficit Y1 trilhão esperado pelos economistas. As exportações japonesas é o principal objetivo do programa econômico do primeiro-ministro Shinzo Abe, conhecido como Abenomics. Maiores exportações estimulam a produção e os investimentos, criam empregos e aumentam os salários no Japão.

Na China, o Shanghai Composite continuou sua ascensão subindo 2,1%, renovando uma nova de sete anos, após o governo divulgar uma queda de 5,7% nos preços das casas em fevereiro ante ano anterior, mais do que os 5,1% de janeiro, o que alimentou esperanças de mais estímulos. Analistas acreditam que o mercado imobiliário tem sido um empecilho para a China bater a meta de crescimento de 7% e isso deve exigir mais afrouxamento na política monetária. Empresas imobiliárias lideraram os ganhos, enquanto o yuan atingiu seu nível mais alto desde meados de janeiro em relação ao dólar americano, fechando a 6,2334 por dólar.

Depois de um ganho de mais de 50% no ano passado, o mercado parecia estar sobrevendido e o Shanghai Composite chegou a cair 5% no início de fevereiro, mas os investidores estão retornando novamente às compras e o benchmark já subiu 9% no acumulado do ano, com a maior parte dos ganhos vindos nas últimas duas semanas com aumento das expectativas de uma flexibilização adicional na forma de cortes nas taxas de juros ou taxas de recolhimento compulsório dos bancos. A maior parte do volume dos negócios é proveniente de investidores locais. O Shanghai-Hong Kong Stock Connect, um link de negociação que permite acesso dos estrangeiros aos stocks de Xangai tem tido um mês fraco. Os ingressos renderam apenas 13,3 bilhões de yuan no mês passado, o que representa 4,4% do total da quota do programa de 300 bilhões de yuans (US $ 2,1 bilhões). Um total de 40% da quota global foi usado desde que o link negociação foi lançado em novembro.

Em Hong Kong, o Hang Seng subiu 0,91%, compensando a queda no pregão anterior.

O S & P ASX 200 da Austrália fechou estável, com investidores locais aguardando decisão do FED. Alguns dos pesos pesados ​​do índice fecharam em alta. Rio Tinto, que sofreu com os preços de minério de ferro tocando a mínima de seis anos na sessão da manhã, recuperou e subiu 0,7% e a rival BHP ganhou 1,4%, apesar da notícia de que empresa recém divulgada  South32, que deverá ter seus papeis negociados nas bolsas de Sydney, Londres e Joanesburgo em 2 de junho, pode ter um começo tumultuado.

No entanto, uma queda de 5,3% nas ações da Fortescue Metals pesou na bolsa, após a mineradora cancelar uma emissão de obrigações na ordem de $ US2.5 bilhões, com uma taxa de 8% para atrair investidores. Segundo JP Morgan e Credit Suisse, a faixa de preço entre 8-8,25% está acima dos 7%, quando o negócio iniciado.

Empresas relacionados com o petróleo recuaram com a queda dos preços das commodities. Santos e Oil Search perderam mais de 1%. Orica caiu 5,3%, com a notícia de que seu CEO Ian Smith deixará o cargo e os quatro maiores bancos fecharam sem direção.

EUROPA: As bolsas europeias abriram o pregão desta quarta-feira com bastante volatilidade, com investidores aguardando o resultado da reunião do Federal Reserve dos Estados Unidos.

O índice pan-europeu Euro Stoxx 600 recua. Destaque para a  alta de 7,5% da holandesa de plataformas SBM Offshore, após firmar com a Controladoria-Geral da União (CGU) e a Advocacia-Geral da União (AGU) memorando de entendimentos que pode levar a um acordo de leniência relativo ao pagamento de propina para funcionários da Petrobras.

Entre as notícias, segundo a Reuters, o primeiro-ministro Benjamin Netanyahu reivindicou a vitória na eleição de Israel após conseguir reduzir a distância para seu rival de centro-esquerda Isaac Herzog em uma acirrada disputa eleitoral, segundo pesquisa de boca de urna, com os dois candidatos demonstrando chances de se tornar o novo governante do país, embora Netanyahu tivesse a vantagem para a formação de uma coalizão.

Enquanto isso, a Grécia frustrou os seus principais credores na terça-feira ao se recusar a atualizar seus pares da zona do euro sobre os progressos na reforma em uma teleconferência agendada, insistindo que as discussões devem ser retomadas na reunião da União Europeia na quinta-feira.

Em Londres, o FTSE 100 sobe e caminha para a terceira alta consecutiva, após a taxa de desemprego ficar em 5,7%, o mesmo que no último trimestre de 2014 e o mais baixo desde o início de 2008, no entanto, os salários cresceram 1,8%, num ritmo muito mais lento do que os 2,2%, esperados pela maioria dos economistas. Destaque para a alta de 6% das ações da Standard Chartered depois que o banco  focado no mercado asiático foi atualizado para overweight pelo Barclays.  Pesa sobre o FTSE 100, a mineradora Fresnillo  que recua 3,41%. Entre as gigantes,  BHP Billiton sobe 0,68%, enquanto Rio Tinto cai 0,99%.

AGENDA ECONÔMICA:
EUA:
11h30 - Crude Oil Inventories (estoques de Petróleo norte-americano);
15h00 - FOMC Economic Projections (previsões de crescimento do PIB);
15h00 - Federal Funds Rate (Decisão da Taxa de Juros);
15h00 - FOMC Statement (Declaração do FOMC);
15h00 - Discurso do Secretário do Tesouro dos EUA Jack Lew;
15h30 - FOMC Press Conference (Discurso da Presidente do FED Janet Yellen).


ÍNDICES MUNDIAIS (7h10):

ÁSIA
Nikkei: +0,55%
Austrália: +0,00%
Hong Kong: +0,91%
Shanghai Composite: +2,12%

EUROPA
Frankfurt - Dax: -0,58%
London - FTSE: +0,66%
Paris CAC -0,24%
IBEX 35: -0,38%
FTSE MIB: -1,11%

COMMODITIES
BRENT: -0,38%
WTI: -1,34%
OURO: -0,11%
COBRE: -1,85%
NIQUEL: -0,98%
FERRO 62%: -0,50%
SOJA: +0,66%
ALGODÃO: +0,15%

ÍNDICES FUTUROS
DOW: -0,07%
SP500: -0,03%
NASDAQ: -0,02%

Observação: Este material é um trabalho voluntário e gratuíto, resultado da compilação de dados divulgados em diversos sites da internet que são aqui resumidos de maneira didática para facilitar e agilizar a compreensão do leitor. Atenção para o horário da disponibilização dos dados desse relatório. Você pode acompanhar também no http://br.investing.com/ e no http://haramoto.blogspot.com. Siga também no twitter: http://www.twitter.com/haramototrader

terça-feira, 17 de março de 2015

RESENHA DA BOLSA - HARAMOTO - TERÇA-FEIRA 17/03/2015

ÁSIA: A maioria das bolsas asiáticas fechou em alta nesta terça-feira, com os mercados em Tóquio, Xangai e Seul renovando novas máximas, com investidores focados em uma enxurrada de reuniões de bancos centrais. O fechamento positivo em Wall Street sustentou os ganhos depois de uma pausa no rali do dólar e de olho na fraqueza dos preços do petróleo.

O Banco do Japão deixou seu enorme programa de estímulo monetário inalterado na terça-feira em um movimento amplamente esperado, enquanto isso, o Banco da Indonésia (BI) manteve a sua taxa de juros inalterada em 7,50%, depois de um corte surpresa em fevereiro.

Ainda hoje, o FOMC inicia sua reunião mensal de dois dias e os mercados aguardam se o banco central norte americano irá eliminar a palavra "paciente" de sua declaração, abrindo   caminho para uma elevação da taxa de juros neste ano.

O Nikkei do Japão subiu 0,99% e renovou sua máxima de 15 anos, com expectativa que as empresas como a Hitachi e Mitsubishi Heavy Industries possam melhorar o seu retorno sobre o patrimônio líquido (ROE) acima de 10%, enquanto o iene pouco mudou e fechou em 121,42 em relação ao dólar após a decisão política do BOJ. Fanuc, o principal contribuinte para o rali do índice na semana passada, retomou a alta, com 2,2% de valorização, depois de cair 0,6% na sessão anterior e entre as blues chips, Sony liderou os ganhos com uma alta de 4,3%, enquanto Toshiba e Canon subiram 2,5 e 1,9% cada.

Na China, o Shanghai Composite fechou em alta de 1,58%, aumentando pela quinta sessão consecutiva e renovando a máxima de cinco anos, em 3503, impulsionado pelas expectativas de mais estímulos na segunda maior economia do mundo, após Premier Li Keqiang dizer que Pequim tem espaço e ferramentas se o crescimento vacilar e  impactar o emprego. Os comentários foram feitos no final da sessão parlamentar anual no fim de semana. Corretoras lideraram os avanços; Huatai Securities subiu 4,4%, enquanto Haitong Securities e Citic Securities subiram mais de 2% cada.

Petrochina subiu 2,6% apesar da notícia de que o seu vice presidente Liao Yongyuan estava sendo investigado por " graves violações disciplinares ".

Em Hong Kong, o Hang Seng recuou 0,20%. A fabricante de bagagem Samsonite caiu mais de 1%, apagando ganhos anteriores, apesar de relatar um aumento de 5,8% no lucro líquido de 2014.

S & P ASX 200 da Austrália avançou 0,77%, após o Banco Central indicar que vai considerar um corte da taxa nas próximas semanas, em sua ata de sua reunião de março. O RBA disse que os números do fraco crescimento econômico e inflação baixa pode abrir caminho para novas reduções das taxas. Os quatro grandes bancos subiram.

BHP saltou 1,2%, com notícias de que  a South32, nova empresa criada a partir de sua cisão, vai iniciar com cerca de 2.900 milhões dólares americanos. Fortescue perdeu 1,9% após um comunicado dizer que está planejando vender títulos garantidos para refinanciar dívidas sem garantia com vencimento nos próximos vários anos, sem fornecer mais detalhes sobre o conteúdo ou preços para a nova dívida. Entre os outros mineradoras, Rio Tinto ganhou 0,24%, Mount Gibson disparou 6,9%, e BC Iron subiu 3,85%.

Papeis relacionados com petróleo subiram apesar de os preços do petróleo próxima das mínimas de seis anos: Oil Search e Woodside Petroleum subiram 0,8 e 1,8%, respectivamente, enquanto Santos aumentou 3%.

Na Coreia do Sul, um desempenho otimista entre os peso pesados ​​do índice, levou o Kospi a renovar a máxima de cinco meses e meio. Hyundai Motor e Kia Motors ganharam 3,7 e 2,7%, respectivamente, com o won permanecendo perto de uma baixa de 20 meses.  Samsung Electronics e Samsung SDI subiram 1,8 e 4,2%, enquanto a Daewoo Securities e Hyundai Securities dispararam 7,6 e 4,8 %. Singapore Airlines confirmou nesta terça-feira que está em negociações para adquirir uma participação na empresa de baixo custo sul coreana Jeju Air. As ações da AK Holdings, empresa de exploração da companhia aérea, despencou 3,6%.

EUROPA: As bolsas europeias abriram sem direção neta manhã de terça-feira, com os investidores aguardando a reunião de dois dias do Federal Reserve dos EUA. O Stoxx Europe 600 cai 0.35%, com o setor industrial, serviços e telecom puxando o benchmark para baixo. O índice pan europeu saltou 0,9% na segunda-feira e marcou seu primeiro fechamento acima da marca de 400 desde junho de 2007.

Hoje é dia de eleição em Israel e as pesquisas sugerem que a disputa fique entre o primeiro-ministro Benjamin Netanyahu e Isaac Herzog, o co-chefe da coligação União sionista. O resultado pode ter um efeito sobre o futuro das negociações de paz entre Israel e a Palestina.

A Grécia continua no topo da agenda da reunião da cúpula da União Europeia (UE) prevista para o final desta semana. O chefe da União Europeia para assuntos financeiros, Pierre Moscovici, disse nesta segunda-feira que alcançar um acordo de financiamento para a Grécia depende do comprometimento do governo grego em realizar as reformas, informou a Reuters. O relacionamento da Grécia com a Alemanha se deteriorou ainda mais depois que o novo governo grego fez uma queixa formal sobre o ministro das Finanças alemão, Wolfgang Schaeuble na semana passada. Depois de crescentes tensões entre as duas partes, Schaeuble disse na segunda-feira que o novo governo da Grécia tinha destruído a confiança que havia sido construída no passado, informou a Reuters.

Algumas ações relacionadas com energia recuam, com a baixa dos preços do petróleo. A OPEP disse que a produção de petróleo dos Estados Unidos poderia diminuir até o final de 2015, devido à fraqueza dos preços do petróleo. O relatório mensal do cartel de 12 produtores não aponta nenhum corte na produção para sustentar os preços do petróleo .

DAX 30 da Alemanha recua, depois de saltar 2,2% na segunda-feira, quando atingiu os 12.000 pontos pela primeira vez. Analistas disseram que o mercado tem se beneficiado pelo recente recuo do euro favorecendo as exportações, tornando os produtos alemães mais baratos.

A confiança do investidor alemão subiu pelo quinto mês consecutivo em março. O indicador ZEW de sentimento econômico subiu para 54,8 em março, ante 53,0 em fevereiro. Economistas do Wall Street Journal previam leitura de 60,0.

No Reino Unido, o FTSE 100 avança, somando-se a alta de 0,9% na segunda-feira. As ações da Antofagasta recuam 3,89% após o lucro líquido anual da mineradora de cobre cair para $ 459.800.000, ante $ 660.000.000 de um ano atrás, abaixo das expectativas de 676 milhões dólares. A empresa planeja produzir 710 mil toneladas de cobre em 2015.

A gigante da mineração BHP Billiton sobe 1.55% após a companhia delinear planos para a nova empresa, South32, nesta terça-feira e Rio Tinto avança 0,75%.

AGENDA ECONÔMICA:
EUA:
9h30 - Housing Starts (índice mensal de construção de novas casas nos Estados Unidos) e Building Permits (índice mensal de permissão para novas construções nos Estados Unidos);
11h00 - Discurso do Secretário do Tesouro dos EUA Jack Lew;

ÍNDICES MUNDIAIS (7h30):

ÁSIA
Nikkei: +0,99%
Austrália: +0,77%
Hong Kong: -0,20%
Shanghai Composite: +1,58%

EUROPA
Frankfurt - Dax: -0,93%
London - FTSE: +0,26%
Paris CAC -0,20%
IBEX 35: -0,60%
FTSE MIB: -0,75%

COMMODITIES
BRENT: -1,83%
WTI: -1,74%
OURO: -0,01%
COBRE: -1,72%
NIQUEL: -1,41%
FERRO 62%: +0,00%
SOJA: +0,09%
ALGODÃO: +0,48%

ÍNDICES FUTUROS
DOW: -0,24%
SP500: -0,29%
NASDAQ: -0,19%

Observação: Este material é um trabalho voluntário e gratuíto, resultado da compilação de dados divulgados em diversos sites da internet que são aqui resumidos de maneira didática para facilitar e agilizar a compreensão do leitor. Atenção para o horário da disponibilização dos dados desse relatório. Você pode acompanhar também no http://br.investing.com/ e no http://haramoto.blogspot.com. Siga também no twitter: http://www.twitter.com/haramototrader

segunda-feira, 16 de março de 2015

RESENHA DA BOLSA - HARAMOTO - SEGUNDA-FEIRA 16/03/2015

ÁSIA: As expectativas de um aumento das taxas de juros mais cedo do que o esperado pelo FED dos EUA e os preços mais baixos do petróleo limitaram os avanços das bolsas na região, com investidores seguindo a cautela nos EUA, depois de uma semana de dados econômicos mistos, com a recente força do dólar e os preços do petróleo em forte baixa, antes da reunião do Federal Reserve nesta quarta-feira, quando os investidores aguardam mais pistas sobre o "timing" de quando será a primeira alta da taxa dos EUA em quase uma década.

O  Shanghai Composite subiu 2,24%, a quarta alta seguida, seu maior nível desde agosto de 2009, depois dos comentários no fim de semana do Premier Li Keqiang de que o governo vai intensificar os esforços para impulsionar o crescimento econômico. Na conclusão da sessão parlamentar anual, o premiê disse em uma coletiva de imprensa em Pequim que a China vai se esforçar para manter o crescimento econômico dentro de um "intervalo razoável" e intensificará os esforços se a desaceleração afetar os empregos e rendimentos. Ele também acrescentou que ainda há muitos instrumentos para a China usar para estimular a economia. Os bancos e corretoras lideraram os ganhos. Banco Agrícola da China e o Banco Industrial subiram 0,9 e 3,5% respectivamente. Huatai Securities e Haitong Securities saltaram 4,5 e 2,3% cada.

Contrariando a tendência de alta, a montadora estatal FAW caiu quase 2% após a notícia de que seu presidente Xu Jianyi está sendo investigado por corrupção.

O Hang Seng de Hong Kong avançou 0,53%, aumentando para três a série de alta.

Nikkei do Japão marcou uma nova alta em 15 anos, em 19.349 pontos, mas devolveu os ganhos no final do dia e fechou em queda de 0,04%, com a  fabricante de robôs industriais Fanuc caindo 0,6%, Setor financeiro fecharam em alta, enquanto alguns exportadores como a Suzuki Motor e Nintendo pesaram no índice. O iene se fortaleceu ligeiramente contra o dólar a ¥ 121,27, em comparação com ¥ 121,39 na sessão anterior.

O Banco do Japão (BoJ) começou a sua reunião mensal de dois dias e os analistas esperam que o banco central  "mantenha" em seu ritmo de flexibilização quantitativa.

O S & P ASX 200  da Austrália  fechou em queda de 0,29%, com perspectiva de agravamento dos preços das commodities pesando sobre ações de mineração e energia, em meio a ansiedade geral, com os investidores ponderando o potencial  impacto da primeira subida da taxa dos Estados Unidos em quase uma década. Os quatro grandes compensaram as perdas do setor de recursos.

Nomes relacionados ao petróleo sofreram com a turbulência nos preços do petróleo. O WTI atingiu o menor valor desde março de 2009, enquanto o Brent foi negociado a US $ 54.32 o barril, uma queda de 40 ¢, mas ainda bem acima de sua baixa de janeiro de US $ 45.19. Oil Search caiu 3,8%, enquanto Woodside Petroleum e Santos recuaram 2,2 e 2% cada.

No setor de mineração, o minério de ferro entregues no porto de Qingdao, China, caiu para 57,66 dólares a tonelada durante a noite. BHP Billiton caiu 1,2%, mas Rio Tinto subiu 0,7% e Fortescue Metals adicionou 0,5%.

EUROPA: As bolsas europeias abriram em alta nesta segunda-feira, com o enfraquecimento do euro alimentando esperanças de uma recuperação na região. Com a proximidade da reunião do Fed previsto para ser divulgado na quarta-feira, os investidores também estão na expectativa se o Fed vai retirar a palavra "paciente" de sua nota.

O ministro das Finanças grego, Yanis Varoufakis , enfrenta críticas no seu próprio país, depois que posou para uma sessão de fotos para a revista francesa Paris Match. Em entrevista à CNBC na sexta-feira, o ministro, se recusou a comentar sobre "fatos particulares na imprensa".

No primeiro aniversário do referendo da Crimeia, o presidente da Ucrânia acusa os separatistas apoiados pelos russos no leste de não respeitar o cessar fogo e apelou para novas sanções contra a Rússia em entrevista a um jornal alemão que serão publicados na segunda-feira, de acordo com a Reuters. enquanto o sumiço do presidente russo, Vladimir Putin, continua a alimentar rumores sobre o seu paradeiro. No domingo, um porta-voz do Kremlin não quis comentar sobre um relatório da agência de notícias independente Dozhd dizendo que o presidente russo, Vladimir Putin não estava em Moscou nos últimos dias, informou a Reuters.

No Reino Unido, o FTSE 100 avança, depois das perdas de 2,5% na semana passada, a maior perda semanal desde dezembro, em parte, pesadas pelas ações de mineração e energia. As mineradoras BHP Billiton e Rio Tinto avançam 1,29% e 1,23% enquanto as empresas de exploração de petróleo BG Group e BP sobem 0,97 e 0,10%, respectivamente.

Athex Composite da Grécia recua 2,20%. A nação helênica deve fazer seu próximo pagamento do empréstimo com o Fundo Monetário Internacional nesta segunda-feira. Com o pagamento, é esperado que o país se aproxima de ficar sem dinheiro no final do mês.

AGENDA ECONÔMICA:
EUA:
10h15 - Industrial Production (produção industrial) e pelo Capacity Utilization Rate (capacidade utilizada);
11h00 - NAHB Housing Market Index (venda de imóveis e a expectativa para novas construções no mercado imobiliário americano);
17h00 - TIC Long-Term Purchases (mede o nível de investimento estrangeiro e nacional nos EUA);

ÍNDICES MUNDIAIS (7h30):

ÁSIA
Nikkei: -0,04%
Austrália: -0,29%
Hong Kong: +0,53%
Shanghai Composite: +2,24%

EUROPA
Frankfurt - Dax: +1,30%
London - FTSE: +0,53%
Paris CAC +0,99%
IBEX 35: +0,95%
FTSE MIB: +1,08%

COMMODITIES
BRENT: -0,17%
WTI: -0,54%
OURO: -0,23%
COBRE: -0,02%
NIQUEL: -0,08%
FERRO 62%: +0,20%
SOJA: +0,09%
ALGODÃO: +0,88%

ÍNDICES FUTUROS
DOW: +0,47%
SP500: +0,49%
NASDAQ: +0,44%

Observação: Este material é um trabalho voluntário e gratuíto, resultado da compilação de dados divulgados em diversos sites da internet que são aqui resumidos de maneira didática para facilitar e agilizar a compreensão do leitor. Atenção para o horário da disponibilização dos dados desse relatório. Você pode acompanhar também no http://br.investing.com/ e no http://haramoto.blogspot.com. Siga também no twitter: http://www.twitter.com/haramototrader

sexta-feira, 13 de março de 2015

RESENHA DA BOLSA - HARAMOTO - SEXTA-FEIRA 13/03/2015

ÁSIA: O Nikkei do Japão foi destaque regional, depois de ultrapassar a barreira dos 19.000 pontos,  rastreando o sentimento positivo de Wall Street, que se recuperou de dois dias de perdas, devido dados econômicos fracos, ensejando expectativas de que o Federal Reserve está a caminho de aumentar suas taxas ainda este ano.

Destaque para a fabricante de robô industrial Fanuc que fechou em alta de 13,2%, depois de dizer que planeja aumentar seus retornos para os acionistas, ajudando o benchmark japonês a subir 1,39%, marcando o terceiro ganho seguido. O enfraquecimento iene também impulsionou a maioria dos exportadores. Analistas acreditam que o Nikkei pode subir próximo do nível de 20.000 pontos em 2015.

Bancos foram as estrelas da bolsa do Shanghai Composite da China que terminou em uma alta de 0,73%, com notícia de que a segunda maior economia do mundo pode permitir que as autoridades locais convertam parte da dívida em títulos municipais ou estaduais. A  montadora SAIC Motor avançou 0,1% depois de ter dito na quinta-feira que irá unir forças com a gigante do comércio eletrônico Alibaba Group e investir US $ 160 milhões para desenvolver carros conectados à Internet.

S & P ASX 200 da Austrália fechou em baixa de 0,61%, destoando do sentimento regional, pesada pelos setores financeiro e de commodities.  O dólar australiano recuperou das baixas de quinta-feira a US75.8 ¢ e foi negociado a US76.8 ¢ nesta sexta-feira.

Entre as grandes mineradoras Rio Tinto e BHP Billiton fecharam em queda de 0,4 e 1,5%, respectivamente, apesar de os preços do minério de ferro se recuperarem ligeiramente durante a noite.  O  conturbado produtor de terras raras Lynas Corp, atingida pela queda nos preços de suas commodities, alertou para a dificuldade em reembolsar seus credores, mesmo depois de ter remarcado o pagamento de alguns empréstimos. Ela cortou custos fechando grande parte de suas operações na Austrália, que foram transferidas para a Malásia, mas continua com dificuldades operacionais  que ameaça a viabilidade financeira da empresa.

Ao longo da semana, BHP caiu 8,8%, em parte devido à negociação ex-dividendo e Rio Tinto caiu 5,12%. A produtora de minério de ferro Fortescue recuou 6,9% na semana

EUROPA: As principais bolsas europeias abriram em alta nos primeiros movimentos do dia, a caminho para a sexta semana seguida de alta, graças ao otimismo dos investidores com o início do programa de compra de títulos do Banco Central Europeu, mas perdem folego no decorrer do pregão desta manhã.

O Stoxx Europe 600 recua 0,05%, liderada por uma queda de mais de 1% no setor de petróleo e gás, seguindo a queda nos preços do petróleo caíram, depois que a Agência Internacional de Energia disse  nesta sexta-feira que a recuperação dos preços do petróleo ainda é frágil.  Peugeot registra um dos piores desempenhos no pan índice, caindo 4% após UBS cortar sua avaliação sobre a montadora francesa de neutro para vender.

Entre os destaques do dia, o banco central da Rússia reduziu sua taxa básica de juros de 15% para 14%. O rublo russo se fortalece contra o dólar após a decisão.

A Grécia permanece no centro das atenções nesta sexta-feira. O primeiro ministro Alexis Tsipras se encontrou com o presidente do Parlamento Europeu Martin Schulz e Jean-Claude Juncker, presidente da Comissão Europeia. Tsipras descreveu a reunião como "produtiva" .

O ministro das Finanças alemão, Wolfgang Schaeuble, durante uma visita para conhecer o seu homólogo austríaco na quinta-feira, disse que a Grécia tinha que ajudar a si mesmo, mas "certamente não é um caso perdido."

Em Londres, o  FTSE 100 recua e segue a caminho para uma perda semanal de 2,2%, o que seria a maior queda semanal desde dezembro. A fornecedora de energia SSE cai 1,82%, assim como a Centrica que recua 1,48%, depois que o líder do Partido Trabalhista, Ed Miliband, deve vencer as eleições 07 maio e vão pressionar por uma legislação que permita o regulador de energia forçar as empresas a reduzir os preços em até 10%, se for comprovado que eles estão muito altos.

Entre as mineradoras, BHP Billiton cai 1,44%, Rio Tinto perde 0,49% e Anglo American perde 0,93%.

AGENDA ECONÔMICA:
EUA:
9h30 - PPI ( é um indicador de inflação que mede a variação nos preços médios recebidos pelos produtores nacionais de bens e serviços, excluindo alimentos e energia) e de seu núcleo Core PPI de agosto (preços praticados por produtores);
11h00 - Prelim UoM Consumer Sentiment (mede a confiança dos consumidores na economia norte-americana);
11h00 - Prelim UoM Inflation Expectations (mede a porcentagem que os consumidores esperam do preço dos bens e serviços nos próximos 12 meses);

ÍNDICES MUNDIAIS (8h30):

ÁSIA
Nikkei: +1,39%
Austrália: -0,61%
Hong Kong: +0,11%
Shanghai Composite: +0,73%

EUROPA
Frankfurt - Dax: +0,27%
London - FTSE: -0,21%
Paris CAC -0,19%
IBEX 35: +0,00%
FTSE MIB: +0,01%

COMMODITIES
BRENT: -0,53%
WTI: -0,94%
OURO: +0,23%
COBRE: -0,36%
NIQUEL: -0,44%
FERRO 62%: +0,20%
SOJA: -0,42%
ALGODÃO: +0,11%

ÍNDICES FUTUROS
DOW: -0,09%
SP500: -0,08%
NASDAQ: +0,01%

Observação: Este material é um trabalho voluntário e gratuíto, resultado da compilação de dados divulgados em diversos sites da internet que são aqui resumidos de maneira didática para facilitar e agilizar a compreensão do leitor. Atenção para o horário da disponibilização dos dados desse relatório. Você pode acompanhar também no http://br.investing.com/ e no http://haramoto.blogspot.com. Siga também no twitter: http://www.twitter.com/haramototrader

quinta-feira, 12 de março de 2015

RESENHA DA BOLSA - HARAMOTO - QUINTA-FEIRA 12/03/2015

ÁSIA: As principais bolsas asiáticas subiram nesta quinta-feira após corte inesperada na taxa de juros pelo Banco Central da Coréia do Sul e dados de empregos melhores do que os esperados na Austrália ajudaram a compensar uma liderança medíocre de Wall Street, que fecharam em baixa, em meio a preocupações continua com o  rali do dólar em relação a outras moedas e a especulação com o momento do aumento da taxa de juros pelo Federal Reserve.

O Banco da Coreia surpreendeu os mercados ao cortar sua taxa básica pela primeira vez em cinco meses em 25 pontos base para uma baixa recorde de 1,75%. Falando em uma conferência à imprensa, o chefe do banco central apontou leituras de dados recentes que sinalizaram uma lentidão na economia.

O movimento vem na sequência de outros cortes nas taxas da região como na Tailândia, Índia, Cingapura e China, que se aproveitaram dos preços mais baixos do petróleo para aliviar a política monetária numa tentativa de estimular o crescimento.

O índice Kospi da Coréia do Sul reverteu os ganhos anteriores e fechou com queda de 0,52%, enquanto o won atingiu seu nível mais baixo desde julho de 2013. Setor financeiro se beneficiou do corte pelo BOK, que foi contrabalanceado por pesadas perdas da Samsung Electronics,  Hyundai Motor e Posco.

S & P ASX 200 da Austrália fechou em alta de 0,98%, com os caçadores de pechinchas entrando e o dólar australiano barato encorajando compradores no exterior, após dados mostrarem que a economia australiana adicionou 15.600 postos de trabalho em fevereiro, acima das expectativas para um aumento de 15.000. A taxa de desemprego, por sua vez, ficou em 6,3%, em linha com o consenso de mercado, ante 6,4% em janeiro. O dólar australiano , que sempre foi sensível à dados domésticos, fechou negociado a 0,7626 dólares americanos.

Os quatro grandes bancos lideraram a alta do dia. Westpac subiu 1,6%, enquanto o National Australia Bank, Commonwealth Bank of Australia e Australia & New Zealand Banking subiram mais de 1% cada. Mas os bancos também foram afetados pela notícia do regulador bancário, o Australian Prudential Regulation Authority, recomendou aos bancos manterem mais capital próprio para aumentar a sua resistência a choques e para os quatro grandes a adotarem uma abordagem mais cautelosa em relação às hipotecas.

O minério de ferro continuou a cair afetando as mineradoras. Fortescue Metals caiu 1,8%. Rio Tinto caiu 0,6%, afetada também pela queda do preço do alumínio. BHP caiu novamente após sellof no dia anterior, quando abriu ex-dividendo. O papel terminou em baixa de 0,4%, para 30,20 dólares.

O Nikkei do Japão subiu 1,49%, seu maior avanço diário em um mês, chegando próximo da marca de 19 mil pontos, com  os pesos pesados ​​do índice contribuindo para uma boa parcela dos avanços do dia. O iene recuperou 0,29% em relação ao dólar após fraqueza recente, sendo negociado a ¥ 121,09, ante ¥ 121,32 no dia anterior.

Em Hong Kong, o Hang Seng índice subiu 0,34%, acabando com uma sequência de sete dias de queda. Os bancos chineses do Continente lideraram os ganhos após o vice ministro das Finanças da China dizer que o governo central aprovou uma quota 1 trilhão de yuans (160.000 milhões dólares americanos) para permitir que os governos locais troquem algumas de suas  dívida pública a juros mais baixos numa uma tentativa de reduzir os riscos e dívida de seus bancos.

Na China, o Shanghai Composite subiu 1,8%, batendo a alta de seis semanas, ajudado também por especulações de que poderia haver outro corte nos depósitos compulsório (RRR) em breve. Como resultado, o setor financeiro avançou. Bank of China liderou os ganhos com uma alta de 4,2%, enquanto China Construction Bank, Bank of Communications e Banco Agrícola da China avançaram 3% cada. Bancos menores como Shanghai Pudong Development Bank e Hua Xia Bank subiram 6 e 5,4%, respectivamente.

No resto da região, o banco central da Nova Zelândia manteve a sua taxa de referência inalterada, em linha com as expectativas e o dólar neozelandês subiu 0,3%, para 0,7310 por dólar. As bolsas indianas obtiveram ganhos ante uma série de dados, incluindo números da inflação de fevereiro e produção industrial de janeiro. O BSE Sensex e Nifty subiram 0,7 e 0,6, respectivamente, enquanto o SET da Tailândia caiu 0,4% apesar do banco central do país anunciar corte nas taxas de juros na quarta-feira. O baht fechou estável em 32,88 por dólar.

EUROPA: As bolsas europeias abriram em alta nesta quinta-feira, com os investidores ponderando as implicações do Banco Central Europeu (BCE),  o programa de flexibilização quantitativa (QE) que em seu quarto dia após o lançamento na segunda-feira, compraram € 9800000000, de acordo com a Dow Jones Newswires.

Há sinais de incerteza nos mercados europeus em relação aos efeitos do programa de QE do BCE de 1 trilhão de euros (1060000000000 dólares) possam ser anuladas pelas expectativas de aumento das taxas pelo Federal Reserve dos EUA.

O índice STOXX Europe 600 opera entre pequenas altas e baixas, com o setor de commodities liderando a alta. Os preços de petróleo bruto sobe pela primeira vez em três dias, proporcionando uma alta para empresas empresas relacionadas com energia. SeaDrill sobe 3,98% em Oslo, enquanto Tullow Oil e BP sobem 0,97% e 1,60% respectivamente, sustentando a alta no FTSE 100 do Reino Unido, destoando do resto do continente, que sobe também puxada por mineradoras. Antofagasta sobe 3,15% depois de chegar a um acordo para acabar com um protesto em sua mina de cobre Los Pelambres no Chile. Rio Tinto sobe 2,27% e BHP Billiton, abriu ex-dividendo e cai 0,44%.

Enquanto isso, a França mostrou que os preços ao consumidor subiu 0,7% em fevereiro, ante janeiro, embora tenha registrado uma queda de 0,3% em comparação com o ano anterior. Economistas consultados pelo The Wall Street Journal previam um aumento de 0,6% em fevereiro, ante mês anterior e um declínio de 0,4% ante o ano anterior.

Com relação à Grécia, o país iniciou conversações técnicas com seus credores internacionais em Bruxelas na quarta-feira, em um esforço para chegar a acordo sobre as reformas que possam levar a uma maior ajuda financeira. O ministro das Finanças grego, Yanis Varoufakis, disse que a política do BCE em relação à Grécia foi "asfixiante", informou a Reuters. O BCE não incluiu títulos gregos em seu enorme programa de compra de títulos por eles serem classificados abaixo do grau de investimento.

Em um movimento que poderia provocar novas tensões com a Rússia, o FMI assinou um programa de quatro anos de ajuda de $ 17500000000 para a Ucrânia na quarta-feira. O FMI disse que espera que a economia da Ucrânia contraia este ano, antes de regressar ao crescimento em 2016.

O euro sobe em relação ao dólar pela primeira vez em duas semanas, se recuperando de uma baixa de 12 anos atingido no início do dia. O índice do dólar, que mede o dólar contra as principais moedas atingiu 100,06 pela primeira vez desde o início de 2003, antes de cair.

Os investidores aguardam dados de vendas no varejo dos EUA, que também podem reforçar as expectativas de uma subida das taxas de juro por parte do FED no meio do ano. Devido ao clima frio intenso, é esperado um pull-back nas vendas, um fator que pode pesar sobre o dólar.

AGENDA ECONÔMICA:
EUA:
9h30 - Retail Sales (mede as vendas totais do mercado varejista, desconsiderando o setor de serviços) e o Core Retail Sales (exclui as vendas de automóveis e gás);
9h30 - Unemployment Claims (número de pedidos de auxílio-desemprego);
9h30 - Import Prices (preços de bens importados, excluindo petróleo);
11h00 - Business Inventories (relatório sobre as vendas e os estoques do setor atacadista);
14h01 - 30-y Bond Auction (leilão de títulos de 30 anos do governo dos EUA);
15h00 - Federal Budget Balance (orçamento federal dos Estados Unidos);

ÍNDICES MUNDIAIS (7h20):

ÁSIA
Nikkei: +1,43%
Austrália: +0,98%
Hong Kong: +0,34%
Shanghai Composite: +1,77%

EUROPA
Frankfurt - Dax: -0,15%
London - FTSE: +0,77%
Paris CAC -0,10%
IBEX 35: +0,08%
FTSE MIB: +0,03%

COMMODITIES
BRENT: +1,39%
WTI: +0,42%
OURO: +0,49%
COBRE: +2,06%
NIQUEL: +1,37%
FERRO 62%: -0,80%
SOJA: +0,30%
ALGODÃO: +1,36%

ÍNDICES FUTUROS
DOW: +0,31%
SP500: +0,29%
NASDAQ: +0,31%

Observação: Este material é um trabalho voluntário e gratuíto, resultado da compilação de dados divulgados em diversos sites da internet que são aqui resumidos de maneira didática para facilitar e agilizar a compreensão do leitor. Atenção para o horário da disponibilização dos dados desse relatório. Você pode acompanhar também no http://br.investing.com/ e no http://haramoto.blogspot.com. Siga também no twitter: http://www.twitter.com/haramototrader