Veja Também

Veja Também

segunda-feira, 25 de março de 2019

RESENHA DA BOLSA - SEGUNDA-FEIRA 25/03/2019

ÁSIA: As bolsas da Ásia fecharam em baixa nesta segunda-feira, após dados econômicos decepcionantes na Europa e sinais de recessão nos EUA. O índice do MSCI Ásia-ex Japão, caiu 1,65%.

O Nikkei do Japão despencou 3,01%, fechando em 20.977,11, enquanto as ações dos pesos pesados ​​do índice Softbank Group e Fanuc despencaram 5,0% e 3,84%, respectivamente. O índice Topix, mais amplo, caiu 2,45%.

As ações da China continental também recuaram, com o índice de Xangai caindo 1,97% para 3.043,03 e o Shenzhen Composite recuando 0,91%.

Enquanto isso, o índice Hang Seng em Hong Kong recuou 2,02%. As ações da gigante chinesa de tecnologia Tencent caiu mais de 3%.

Na Coreia do Sul, o Kospi fechou em baixa de 1,92%. A fabricante de chips SK Hynix despencou 4,2%.

Na Austrália, o ASX 200 caiu 1,11%, a segunda pior sessão de 2019. Os setores bancário, mineração e energia fecharam em baixa, pressionando o sharemarket local. A ANZ fechou em queda de 2,3%, Westpac caiu 1,5%, Commonwealth Bank caiu 0,9% e NAB recuou 0,9%. Woodside Petroleum caiu 2,8%, Origin Energy despencou 4,5%, Santos caiu 3,8%, Oil Search recuou 3,3% e Beach Energy caiu 5,6%. Entre as mineradoras, o grupo BHP fechou a sessão 1,3% menor, Rio Tinto caiu 1,1%, South32 caiu 2,8% e o Fortescue Metals Group caiu 1,2%.

No entanto, a queda do mercado australiano foi limitada por ganhos no setor de mineração de ouro, considerado ativo de segurança. A produtora de ouro Newcrest Mining subiu 3,2%, Spark New Zealand avançou 2,9%, Saracen Mineral subiu 2,5% e Resolute Mining fechou em alta de 2,1%.

Na Tailândia, o índice SET caiu 1,39%, o maior declínio intradiário em mais de um mês, segundo a Reuters. Um partido apoiado pelos militares prevaleceu na primeira eleição do país desde um golpe de 2014. O resultado provavelmente aumentará para quase duas décadas de instabilidade política na Tailândia. Os resultados preliminares indicam a probabilidade de que Prayut Chan-ocha permaneça como primeiro-ministro com o apoio de uma coalizão.

O iene, amplamente visto como uma moeda porto-seguro, subiu para 110.05 contra o dólar em relação aos mínimos de 110.6 da última sexta-feira. O dólar australiano mudou de mãos em US $ 0,7083, após ter registrado altas acima de US $ 0,714 na semana passada.

EUROPA: As bolsas europeias operam em baixa nesta segunda-feira de manhã, em meio à temores crescentes de uma recessão global iminente.

O nervosismo do mercado aumenta devido sinais crescentes de desaceleração do crescimento econômico e uma possível recessão. O setor manufatureiro alemão contratou pelo terceiro mês seguido, segundo dados da IHS Markit na sexta-feira, arrastando o rendimento do título de 10 anos para o território negativo pela primeira vez desde outubro de 2016.  Ainda na sexta-feira, a curva de juros dos EUA, que afeta o rendimento das obrigações desde o vencimento mais curto até o mais longo e é considerado um termômetro do sentimento econômico, inverteu pela primeira vez desde meados de 2007.

O índice pan-europeu Stoxx 600 começou a sessão em queda de 0,6%, com a maioria dos setores e principais bolsas no vermelho. 

A LVMH inicialmente despencou 8,8% antes de reduzir as perdas. A Reuters informou que a queda substancial no início da sessão deveu-se a uma transação equivocada conhecida como "dedo gordo" em que um erro inesperado leva a uma negociação maior do que a esperada ou feita com outra ação erroneamente. As ações da fabricante francesa de artigos de luxo caem 0,4%.

A Bayer recua 2,6% após um rebaixamento do Bank of America Merrill Lynch. O executivo-chefe da empresa farmacêutica disse recentemente que seu conselho de supervisão continua a apoiar a administração, depois que um júri dos EUA decidiu contra a empresa em um julgamento sobre seu herbicida Roundup.

Entre as mineradoras listadas em Londres, Anglo Americann cai 0,9%, Antofagasta recua 0,8%, BHP opera próximo da estabilidade e Rio Tinto avança 0,6%.

O Brexit continua a ser um ponto de discussão, com relatos de uma conspiração para expulsar a primeira-ministra do Reino Unido, Theresa May, durante o fim de semana. A líder britânica se reuniu com ministros e legisladores apoiadores do Brexit no domingo para discutir a saída da União Euroeia.

A UE ofereceu ao Reino Unido uma prorrogação para o Brexit, mas a duração de tal adiamento depende do acordo de May ser rejeitado duas vezes e este obter apoio de legisladores para tal.

EUA: Os futuros de ações dos Estados Unidos operam em baixa nesta manhã de segunda-feira, com investidores se esforçando para se recompor depois que dados mostrando fraqueza na frente econômica global desencadearam o pior dia para ações desde o início do ano.

Todos os três benchmarks americanos sofreram sua maior queda diária desde 3 de janeiro na sexta-feira. O DJIA caiu 1,77%, o S & P 500 recuou 1,90% e o Nasdaq Composite Index despencou 2,50%. O Cboe Volatility Index, ou VIX, chamado de índice do medo, subiu 24% para 16,96 na sexta-feira. 

Os futuros subiram inicialmente de madrugada depois que um relatório de investigação do advogado especial Robert Mueller, divulgado no domingo, não encontrou evidências de que a Rússia influenciou a eleição presidencial de 2016. Mueller também investigou se Trump obstruía a justiça, mas não chegou a uma resposta conclusiva.

Os investidores voltam a concentrar-se nos receios de recessão global desencadeados na sexta-feira por uma série de leituras fracas do índice PMI de março na zona do euro que apontaram para uma nova desaceleração na atividade regional. Combinando à esses temores, os dados dos EUA mostraram que o crescimento do setor manufatureiro desacelerou para uma baixa de 21 meses em março.

Investidores apreensivos despejaram dinheiro em títulos, forçando o spread entre os títulos do Tesouro de 3 meses e a de 10 anos a inverter pela primeira vez desde 2007. A inversão da curva de juros, quando a taxa das dívidas com prazos mais longos cai abaixo de suas contrapartes de prazos mais curtos, é vista por muitos como um indicador importante de recessão.

A agenda econômico dos EUA para segunda-feira está vazia, mas dados recentes da Europa mostraram que a pesquisa alemã sobre o sentimento empresarial do instituto Ifo subiu para 99,6 em março, ante previsão de 98,3, segundo a Dow Jones Newswires. O índice caiu para 98,5 em fevereiro.

Falando em Hong Kong, o presidente do Federal Reserve de Chicago, Charles Evans, disse nesta segunda-feira que era prudente permanecer paciente e avaliar mais dados antes de decidir sobre novas mudanças na taxa de juros.

O secretário do Tesouro dos EUA, Steven Mnuchin e o principal negociador comercial dos EUA, Robert Lighthizer, retornarão à Pequim para negociações comerciais nesta semana.

ÍNDICES FUTUROS - 7h50:
Dow: -0,15%
SP500: -0,18%
NASDAQ: -0,451%

OBSERVAÇÃO: Este  material é um trabalho voluntário, resultado da compilação de dados divulgados em diversos sites da internet que são aqui resumidos de maneira didática para facilitar e agilizar a compreensão do leitor. O texto da sessão asiática está no tempo passado e a europeia no presente devido ao horário em que este relatório é redigido. Atentem-se para o horário de disponibilização dos dados.

Nenhum comentário:

Postar um comentário